Show simple item record

dc.contributor.advisorAbib, Gustavo, 1977-
dc.contributor.authorSilva, Gabrielle Ribeiro Rodrigues da
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Administração
dc.date.accessioned2016-03-18T20:01:40Z
dc.date.available2016-03-18T20:01:40Z
dc.date.issued2015
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/41830
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Gustavo Abib
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Programa de Pós-Graduação em Administração. Defesa: Curitiba, 17/12/2015
dc.descriptionInclui referências : f.126-144;149
dc.description.abstractResumo: O risco é um fator relevante em vários níveis de atividade internacional, seja no ingresso a novos mercados ou a mudança de estratégia. Embora haja estudos identificando os riscos no processo de internacionalização, são raras as pesquisas que avaliam quais riscos efetivamente são considerados pelos gestores, restando inexplorada a investigação dos constructos por eles utilizados para analisá-los e ponderá-los em processos de internacionalização. Diante do exposto, este estudo objetiva analisar a relação das características sociodemográficas e cognitivas dos gestores quanto à percepção do risco no grau de internacionalização. Este estudo visa avançar nesta compreensão em torno do eixo de fatores que podem afetar o processo de internacionalização das organizações. Assim, do ponto de vista teórico, a pesquisa apresenta as seguintes contribuições: primeiro, o estudo sobre o risco se expandirá para além da tendência tradicional e é possível afirmar que estes estudos em processos de internacionalização contribuirão para a ampliação dos conhecimentos neste campo. Segundo, objetiva esclarecer os antecedentes que influenciam a percepção de risco, verificando a relação entre as características individuais dos gestores e a percepção de risco individual. E terceiro, o estudo retoma aos níveis individuais, para, então, compreender claramente a influência destes executivos na decisão pelo processo e grau de internacionalização. Para tanto, optou-se como lente teórica a teoria comportamental de internacionalização, visto que esta dissertação tem como objeto de estudo os gestores de micro, pequenas e médias exportadoras paranaenses. Realizou-se uma survey com 176 gestores. O instrumento utilizado nesta pesquisa foi organizado a partir de escalas de 5 instrumentos. A avaliação das escalas de medição foi realizada por meio de Análise Fatorial Exploratória e confirmada pela Análise Fatorial Confirmatória. Para avaliar os processos causais entre as variáveis, foi utilizado a modelagem de equações estruturais. Os resultados apresentaram algumas diferenças quando confrontados com a literatura existente. As características sociodemográficas dos gestores não afetam diretamente a percepção de risco como foi apontado anteriormente por outros estudos, mas essa relação é mediada pelo estilo cognitivo deliberativo deste gestor. Ademais, somente os estilos cognitivos, intuitivo ou deliberativo, possuem relação com a tolerância à ambiguidade, não havendo uma relação estatisticamente significante entre as características sociodemográficas e a tolerância à ambiguidade. Entretanto, como o esperado, a percepção de risco afeta o grau de internacionalização, corroborando estudos anteriores. As relações propostas pela literatura podem não ter ocorrido devido às diferenças ambientais e culturais dos outros países em que esses constructos foram analisados individualmente ou alguma de suas partes. Assim, recomenda-se futuros estudos que abordem essa relação em outras maneiras de internacionalização, ou que incluam novas variáveis no modelo, corroborando os achados deste estudo ou, ainda, contribuindo com novos esclarecimentos. O que se pode afirmar é que, de fato, as características dos gestores afetam a percepção do risco e consequentemente o grau de internacionalização da organização. Palavras-chaves: Risco. Percepção do Risco. Internacionalização. Grau de Internacionalização.
dc.description.abstractAbstract: Risk is a relevant factor in multi-level international activities, both in ingress to new markets or in strategy change. Though there are studies identifying risks on the internationalization process, there are few researches that evaluate which risks effectively are considered by the managers, remaining unexplored the investigation of the constructs used to analyze and weigh by them in internationalization processes. Therefore, this study investigates the relation of the socio demographic and cognitive characteristics of the managers as the perception of risk in the degree of internationalization. This study aims to advance the understanding about the axis of factors that can affect the process of internationalization of organizations. Thus, from a theoretical point of view, the research presents the following contributions: first, the study of the risk will expand beyond the traditional trend and we can assert that these studies in internationalization processes will contribute to the expansion of knowledge in this field. Second, objectively clarify the antecedents that influence the perception of risk by checking the relationship between the individual characteristics of managers and the individual risk perception. And third, the study takes the individual levels, to then clearly understand the influence of these executives in the decision process and the degree of internationalization. For this purpose, it chose as a theoretical lens the behavioral theory of internationalization, as this work aims to study the managers of micro, small and medium exporters at Paraná. One survey was made with 176 managers. The instrument used was organized from scales of 5 instruments. The evaluation of measurement scales was performed using Exploratory Factor Analysis and confirmed by Confirmatory Factor Analysis. To evaluate the causal processes between variables, was used the structural equation modeling. The results showed some differences when faced with the existing literature. The sociodemographic characteristics of the managers do not directly affect the perceived risk as was pointed out earlier by other studies, but this relationship is mediated by the cognitive style deliberated from the manager. Moreover, only intuitive or deliberative cognitive styles, are related to tolerance to ambiguity, with no statistically significant relationship between sociodemographic characteristics and tolerance to ambiguity. However, as expected, the risk perception affects the degree of internationalization, corroborating previous studies. The relations proposed by the literature cannot be due to ambience and cultural differences of other countries where these constructs were analyzed individually or some of its parts. Therefore, it is recommended that future studies discuss this relation in other ways of internationalization, or that include new variables in the model, confirming the findings of this study, or even contributing with further clarification. What can be affirmed is that, in fact, the characteristics of managers affect the perception of risk and consequently the degree of internationalization of the organization. Keywords: Risk. Risk perception. Internationalization. Degree of internationalization.
dc.format.extent149 f. : il.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.relationDisponível em formato digital
dc.subjectAdministração
dc.subjectEmpresas - Globalização
dc.subjectAdministração de risco
dc.subjectAdministradores - Capacidade executiva
dc.subject.ddc658.155
dc.titleA relação das características dos gestores na percepção do risco na internacionalização : uma análise nas empresas paranaeneses
dc.typeDissertação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record