Show simple item record

dc.contributor.authorNieto, Valéria Fonseca
dc.contributor.otherSzaniawski, Elimar
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Jurídicas. Curso de Graduação em Direito.
dc.date.accessioned2016-01-20T13:57:00Z
dc.date.available2016-01-20T13:57:00Z
dc.date.issued2003
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/41188
dc.descriptionOrientador: Prof. Elimar Szaniawski
dc.descriptionMonografia (graduação) - Universidade Federal do Paraná,Setor de Ciências Jurídicas, Curso de Graduação em Direito
dc.description.abstractO médico vem exercendo o seu ofício de forma liberal desde os tempos mais remotos de nossa história. E a responsabilização pessoal também acompanha o trabalho desse profissional desde a sua distante origem. Enquanto, na Roma antiga o médico podia ser punido até mesmo com a morte, por sua eventual imperícia, no último quartel do século XIX e começo do século XX, o médico era visto como uma pessoa amiga da família. Sua relação com paciente era pautada na confiança. Hoje, com a massificação das relações de consumo, os serviços médicos vêm se despersonalizando, e sendo oferecidos no mercado como um tipo de "mercadoria" a ser comprada por quem tiver interesse. Configurando-se assim, em uma relação de consumo que tem como pólos o médico, profissional liberal, fornecedor e o paciente, o comprador, o consumidor dos serviços oferecidos no mercado. Embora o avanço tecnológico tenha posto à disposição do médico uma infinidade de novos aparelhos, bem como, proporcionando-lhe o conhecimento de avançadas técnicas, tais instrumentos só aumentariam a cobrança quanto a qualidade e a segurança dos serviços, por parte da sociedade contemporânea. Dessa forma, o profissional liberal que oferece seus serviços no mercado de consumo é responsável pela adequação, boa fruição e informações claras, no que diz respeito a tais serviços. Todavia, vindo o consumidor a sofrer danos em virtude do consumo de serviços prestados por profissional liberal, para ser ressarcido terá que provar a culpa deste. O que nem sempre é uma tarefa fácil. Entretanto, o Código de Defesa do Consumidor traz novos instrumentos ao ordenamento jurídico, com o objetivo de proteger o consumidor e garantir o seu acesso à justiça sem deixar contudo de preservar a livre iniciativa e a viabilização dos princípios em que se funda a ordem econômica.
dc.format.extent53 f.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.subjectResponsabilidade (Direito)
dc.subjectProfissionais liberais
dc.subjectDefesa do consumidor
dc.subjectErro médico
dc.subjectÉtica médica
dc.subjectMedicos - Impericia e pratica ilegal
dc.titleResponsabilidade civil do médico, profissional liberal, como um prestador de serviço ao consumidor
dc.typeMonografia Graduação


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record