Show simple item record

dc.contributor.advisorFernandes, Ricardo Cid, 1967-pt_BR
dc.contributor.authorRainho, Ana Paulapt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologiapt_BR
dc.date.accessioned2020-06-17T23:02:32Z
dc.date.available2020-06-17T23:02:32Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/40976
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Ricardo Cid Fernandespt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Defesa: Curitiba, 26/08/2015pt_BR
dc.descriptionInclui referências : f. 157-163pt_BR
dc.description.abstractResumo: Este trabalho teve como objetivo adentrar o universo da comunidade tradicional pesqueira Barra do Ararapira, inserida dentro do Parque Nacional de Superagui (Guaraqueçaba - PR), para descrever os conhecimentos locais e tradicionais, buscando compreender a complexidade, dinâmica e processos de aprendizados desses conhecimentos. Os conhecimentos da natureza da Ilha de Superagui são adquiridos em todas as etapas da vida dos moradores. As crianças são iniciadas a tais saberes por parentes próximos e pelos membros mais velhos da comunidade. Enquanto os adultos continuam a ampliar seus conhecimentos, a partir da observação diária do oceano e através das reflexões e debates constantes entre os moradores. O empirismo, a utilização dos sentidos, as reflexões constantes, geraram complexos conhecimentos na comunidade, capaz de englobar ambientes tão diferentes, como o céu, o mar e a terra. Entretanto, toda essa complexidade dos conhecimentos dos moradores é ignorada pela gestão do Parque Nacional de Superagui, que inviabilizou a participação da comunidade na construção do plano de manejo. Os moradores desejam participar do plano de manejo, para que possam decidir sobre o futuro de seu território e de suas próprias vidas, mas a gestão do Parque optou por terceirizar o plano de manejo, excluindo a comunidade da construção do mesmo. Enquanto isso, a comunidade contesta o conhecimento científico dos gestores e dos técnicos da empresa terceirizada, mostrando algumas imprecisões de tais conhecimentos, principalmente quando referente à Ilha de Superagui. A partir disso, este trabalhou buscou questionar quem possui o direito de gerir a Ilha de Superagui e por quê? A questão vai além de quem detêm mais conhecimento, pois, mais do que uma mera disputa pelo saber, é uma relação de poder, em que aqueles com mais poder são os manejadores da natureza. Palavras-chaves: Comunidades tradicionais, Conhecimento tradicional, Pescadores artesanais, Unidades de Conservação, Conflitos socioambientais.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: This study aimed to enter the world of traditional fishing community of Barra Ararapira, inserted into the Superagui National Park (Guaraqueçaba - PR), to describe the local and traditional knowledge, trying to understand the complexity, dynamics and learning processes of this knowledge. The knowledge about the nature of Superagui Island is purchased at all stages of life of the residents. Children are initiated in such knowledge by your father, mother and the older members of the community. The adults continue to expand their knowledge, from the observation of the ocean and through the reflections and constant debates among residents. Empiricism, the use of the senses, the constant reflections, generated complex knowledge in the community, able to embrace so many different environments, such as the sky, the sea and the land. However, all this complexity of knowledge is ignored by the management of the National Park Superagui, who denied the participation of the community in the construction of the management plan. Residents wish to participate in the management plan, to decide on the future of their territory and their own lives, but the management of the Park opted to outsource the management plan, excluding the community. Meanwhile, community contest the scientific knowledge of managers and technicians, showing some inaccuracies of such knowledge, especially when referring to Superagui Island. From this, this work inquire who has the right to manage Superagui Island and why? The issue goes beyond who have more knowledge, because, more than just a race for knowledge, is a power relationship, in that those with more power are the managers of nature. Keywords: Traditional communities, Traditional knowledge, Artisanal fishers, Protected areas, Social and environmental conflicts.pt_BR
dc.format.extent171 f. : il. algumas color., maps., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectAntropologiapt_BR
dc.subjectComunidades sociais - Guaraqueçaba, Regiao de (PR)pt_BR
dc.subjectDesenvolvimento economico - Aspectos ambientaispt_BR
dc.subjectPesca artesanal - Guaraqueçaba (PR)pt_BR
dc.subjectGuaraqueçaba, Região de (PR) - Aspectos sociaispt_BR
dc.titleA gente vive no mar : saberes oceanográficos na comunidade tradicional Barra da Ararapirapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record