Show simple item record

dc.contributor.authorMarin, Camila Burigopt_BR
dc.contributor.otherRoss, Bárbara Zanicotti Leitept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Agrárias. Curso de Especialização em Projetos Sustentáveis, Mudanças Climáticas e Mercado de Carbonopt_BR
dc.date.accessioned2017-04-20T20:49:08Z
dc.date.available2017-04-20T20:49:08Z
dc.date.issued2014.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/40164
dc.descriptionOrientador : Profª. M.Sc. Bárbara Zanicotti Leite Rosspt_BR
dc.descriptionMonografia (especialização) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Curso de Especialização em Projetos Sustentáveis, Mudanças Climáticas e Mercado de Carbonopt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.description.abstractResumo: O município de Itapema, localizado no litoral centro-norte de Santa Catarina é o terceiro destino mais procurado no estado por turistas. Itapema apresentou um crescimento expressivo nos últimos anos, a cidade atualmente conta com uma estação de tratamento de efluentes (ETE) que atende o equivalente a 60% da população. Porém o restante da população (40%) ainda lança o seu efluente nos corpos d’água ou utiliza-se de tratamento individual como a fossa séptica. Se por um lado o aumento populacional e a procura dos turistas pelo município contribui com o crescimento da cidade, por outro o não tratamento de grande parte do efluente pode acarretar em efeitos negativos para o meio ambiente bem como para a saúde pública, graças a grande quantidade de organismos patogênicos que normalmente encontra-se no esgoto. A balneabilidade da praia consequentemente vem sendo prejudicada pela disposição inadequada dos efluentes domésticos municipais. O efluente doméstico por conter um alto teor de matéria orgânica possui um alto potencial de emissão de gases de efeito estufa – GEE principalmente o metano. Desta forma a procura por sistemas que atendam a parcela não atendida da população pela rede coletora, pode além de ajudar a melhorar as condições de balneabilidade, refletir em reduções das emissões de GEE. Através do programa GHG Brasil foi possível calcular as emissões e formar cenários. Calculada a produção de efluente por 40% da população, chegou-se ao valor de emissão de gás carbônico por essa parcela de 447.029,18 tCO2e/ano. Avaliando-se o custo de diferentes tipos de tratamento e relacionando-os com os créditos de carbono concluiu-se que o tratamento alternativo mais eficiente para o município é através da técnica de jardim filtrante, uma vez que apresentou o maior potencial de remoção de DBO e maior atratividade, pois a primeira venda de créditos de carbono seria o suficiente para pagar investimento neste tipo de tratamento. Além disso, sugere-se que este tipo de tratamento possa ser utilizado como área de lazer, uma praça com área verde na cidade, proporcionando ainda mais qualidade de vida para os munícipes.pt_BR
dc.format.extent28 f. : : il. (algumas color.), grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.subjectEsgotos - Aspectos ambientaispt_BR
dc.subjectEsgotos - Aspectos ambientais - Itapema (SC)pt_BR
dc.subjectMetanopt_BR
dc.subjectGases estufapt_BR
dc.subjectEfeito estufa (Atmosfera)pt_BR
dc.subjectDemanda bioquimica de oxigeniopt_BR
dc.subjectCréditos de carbonopt_BR
dc.titleAlternativa de tratamento de esgoto sanitário para o município de Itapema, SCpt_BR
dc.typeMonografia Especialização Digitalpt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record