Show simple item record

dc.contributor.advisorRibeiro-Costa, Cibele Stramare, 1962-pt_BR
dc.contributor.authorZimmermann, Daiara Manfiopt_BR
dc.contributor.otherCaron, Edilsonpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia)pt_BR
dc.date.accessioned2015-07-22T19:15:16Z
dc.date.available2015-07-22T19:15:16Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/38189
dc.descriptionOrientadora : Profª. Drª. Cibele S. Ribeiro-Costa (UFPR)pt_BR
dc.descriptionCo-orientador : Prof. Dr. Edilson Caron (UFPR- Campus Palotina)pt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 25/02/2015pt_BR
dc.descriptionInclui referências : fls. 42-48 e 91-97pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração : Entomologiapt_BR
dc.description.abstractResumo: Bruchinae Latreille destaca-se entre as demais subfamílias de Chrysomelidae Latreille pelo hábito endófago das larvas, consumidoras de sementes. É composta por cerca de 1650 espécies alocadas em seis tribos e nove subtribos. Acanthoscelidina Bridwell de Bruchini Pic inclui quase 50% das espécies da subfamília, e possui limites taxonômicos ainda pouco conhecidos. Esta subtribo conta com uma série de agrupamentos de gêneros formados com base em semelhanças morfológicas. Dentre estes, está o grupo Merobruchus composto por sete gêneros Americanos, Caryedes Hummel, Meibomeus Bridwell, Ctenocolum Kingsolver & Whitehead, Gibbobruchus Pic, Penthobruchus Kingsolver, Pygiopachymerus e Merobruchus Bridwell, aqui estudado. Merobruchus conta com 25 espécies, organizadas em seis grupos e quatro subgrupos de espécies, que ocorrem em três tribos de plantas hospedeiras: Acacieae, Ingeae e Mimoseae de Mimosoideae (Fabaceae). É registrado para o Novo Mundo e sua maior riqueza está na região Neotropical. Assim como outros bruquíneos, Merobruchus apresenta variações morfológicas, tanto na morfologia externa quanto na genitália masculina. Além disso, muitas espécies são muito similares entre si, principalmente em relação à coloração e padrão de distribuição da pubescência, dificultando seu reconhecimento. Apesar de ser considerado próximo aos gêneros com gibosidades (grupo Merobruchus) Merobruchus possui características que também o assemelha a Acanthoscelides Schilsky. Os objetivos deste trabalho foram testar a monofilia de Merobruchus e de seus grupos de espécies a partir de uma análise cladística morfológica, observar se há conservantimo taxonômico no uso dos hospedeiros a nível de tribo dentro de Merobruchus e realizar estudos taxonômicos no gênero, com a confecção de uma chave de identificação e descrição e redescrições de espécies. A matriz utilizada para as análises foi composta por 48 caracteres e 34 táxons. Do grupo interno fizeram parte todas as espécies reconhecidas em Merobruchus, exceto M. cristoensis Kingsolver, além de uma espécie nova, totalizando 25 terminais. Para o grupo externo, um total de nove espécies foram amostradas, dos gêneros Acanthoscelides, Caryedes, Ctenocolum, Meibomeus e Pachymerus. A partir das análises realizadas com pesagem implícita foi obtida uma única árvore mais parcimoniosa. Merobruchus foi recuperado monofilético, suportado por uma sinapomorfia e três homoplasias e composto por sete principais clados. Por outro lado, os grupos/subgrupos de espécies não foram corroborados. Duas espécies de plantas hospedeiras são registradas pela primeira vez para Bruchinae. Foi observado que o consumo de sementes de Ingeae é plesiomórfico para Merobruchus e que de maneira geral, não há tendência ao conservantismo taxonômico no uso das plantas hospedeiras dentro do gênero. A chave dicotômica para Merobruchus inclui imagens coloridas, de modo a facilitar a identificação das espécies do gênero, muitas vezes comprometida pelas similaridades morfológicas interespecíficas principalmente quanto ao padrão de coloração no dorso e pigídio. Além disso, foi descrita uma nova espécie (Localidade tipo: Brasil, Rio Grande do Sul) e redescritas duas para a América do Sul. Palavras-chave: Besouros de sementes, Acanthoscelidina, Merobruchus, filogenia, chave dicotômica.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Bruchinae Latreille stands out among the other subfamilies of Chrysomelidae Latreille by the seed-feeding endophagous habit. It comprises about 1650 species divided in six tribes and nine subtribes. Acanthoscelidina Bridwell of Bruchini Pic includes nearly 50% of the species of the subfamily, and has taxonomic limits still poorly known. This subtribe comprises many groups of genera based on morphological similarities. Among them, the group Merobruchus is composed by seven American genera, Caryedes Hummel, Meibomeus Bridwell, Ctenocolum Kingsolver & Whitehead, Gibbobruchus Pic, Penthobruchus Kingsolver, Pygiopachymerus and Merobruchus Bridwell, the last here studied. Merobruchus has 25 New World species mainly distributed in the Neotropical region and organized into six groups and four subgroups. Species consume seeds belonging to three host plants tribes of Mimosoideae (Fabaceae): Acacieae, Ingeae and Mimoseae. As well as the other bruchines, Merobruchus has many morphological variations both in external morphology and in male genitalia. Moreover, some species are very similar to each other, considering the colour and distribution pattern of the pubescence, sometimes difficulting the recognition of the entities. Merobruchus is considered close to the genera with gibbosities (Merobruchus group) but some morphological features also resembles Acanthoscelides Schilsky. The goals of this work were to test the monophyly of Merobruchus and of their groups of species through a morphology-based cladistic analysis, and perform taxonomic studies in the genus, with construction of an identification key and provide description and redescriptions of species. The matrix used for the analyses was composed of 48 characters and 34 taxa. The internal group comprised all species recognized for Merobruchus, except M. cristoensis Kingsolver, in addition of a new species, totaling 25 terminals. The external group was formed by nine species belonging to the Pachymerus, Acanthoscelides, Caryedes, Ctenocolum and Meibomeus genera. The cladistic analysis with implied weights resulted in one most parsimonious tree. Merobruchus was recovered monophyletic, supported by one synapomorphy and three homoplasies and consists of seven main clades. Moreover, the groups/subgroups of species have not been corroborated. Two species of host plants are recorded for the first time to Bruchinae. It was observed that feeds seeds of Ingeae is plesiomorphic for Merobruchus and in general, it is not a trend to taxonomic conservatism of host-plant use in the genus. The key for Merobruchus species includes coloured images to facilitate species identification often difficulted by interspecifics morphological similarities especially regarding to the colour pattern on dorsum and pygidium. In addition, new species was described (Type locality: Brazil, Rio Grande do Sul) two others for South America redescribed. Keywords: Seed beetles, Acanthoscelidina, Merobruchus, phylogeny, dichotomous key.pt_BR
dc.format.extent119 f. : il. algumas color., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectColeopteropt_BR
dc.subjectCrisomelideopt_BR
dc.subjectEntomologia e malacologia de parasitas e vetorespt_BR
dc.titleAnálise filogenética e taxonomia de Merobruchus Bridwell, 1946 (Coleoptera, Chrysomelidae, Bruchinae)pt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record