Mostrar registro simples

dc.contributor.authorGrein, Everton
dc.contributor.otherFrighetto, Renan
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em História
dc.date.accessioned2015-10-14T15:25:06Z
dc.date.available2015-10-14T15:25:06Z
dc.date.issued2015
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/38097
dc.descriptionOrientador : Prof. Renan Frighetto
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História. Defesa: Curitiba, 24/04/2015
dc.descriptionInclui referências
dc.description.abstractResumo: Durante mais de quatro décadas a tese de Abilio Barbero sobre a teoria politica visigoda e as primeiras unções regias na Europa Ocidental desfrutou de um lugar privilegiado entre os estudiosos sobre a temática e suas respectivas derivações na moderna historiografia. De modo bastante abreviado, a tese defendida por Barbero advogava em favor da ideia de que a teoria politica visigoda fora obra inconteste de Isidoro, bispo de Sevilha (600-636), que a dispôs através do cânone 75 no IV Concilio de Toledo celebrado no ano 633. O mesmo referido Concilio sugeriria ainda que os reis visigodos seriam submetidos a infusão através do óleo sagrado, confirmando assim sua posição de poder e autoridade em relação aos seus pares como formula de sua legitimação. Partindo, portanto, das disposições apresentadas pela obra de Barbero, o presente trabalho de tese e uma tentativa de estabelecer uma releitura deste problema a luz de outra perspectiva historiográfica: a realeza crista compreendida como fruto da praxiologia politica no Reino visigodo de Toledo no século VII. A opção por este recorte cronológico justifica-se na medida em que nossa proposta consiste em analisar as elaborações teóricas sobre o poder que evidenciaram a estruturação do Regnum cristão entre os visigodos. Para tanto, tomamos como marco inicial neste estudo a conversão dos visigodos ao catolicismo no final do século VI, finalizando em meados do século VII com Taio de Zaragoza, quica o ultimo representante do florescimento cultural da Hispania pos-isidoriana. Uma vez analisados os processos de concepção teórica da realeza crista entre os godos, buscamos compreender como se dava a escolha e a legitimação do rei diante a sociedade politica - naquele momento, constituída basicamente pela Igreja e a Aristocracia. Deste modo, apresentados de maneira diacrônica, os elementos derivados de uma leitura e apreciação critica das fontes nos levou, por fim, a determinar o papel constituintede alguns representantes da Ecclesia neste processo. Nas implicações reciprocas no exercício do poder, chegamos a conclusão de que, a teoria politica visigótica nao emergia como obra unívoca do bispo hisparem-se, senão, como um processo de longa duração que tomou como base as diferentes formas de relacao de poder determinada segundo o contexto especifico de sua realização. Palavras-chave: Realeza Crista, Teoria Politica, Uncao, Praxiologia Politica, Taio de Zaragoza.
dc.description.abstractAbstract: For over four decades, Abilio Barbero's thesis on the visigothic political theory and the first royal ointments in Western Europe occupied a privileged position among the scholars involved with the theme and its respective derivations in modern historiography. In a very brief way, the thesis defended by Barbero advocated for the idea that the visigothic political theory had undisputedly been the work of Isidoro, bishop of Sevilla (600-636), who presented it by means of the canon law 75 at the 4th Toledo Council, celebrated in the year 633. The same Council also suggested that visigothic kings should be submitted to infusion by means of the sacred oil, thus confirming their position of power and authority regarding their peers, as a legitimation formula. Based on the disposed in Barbero's work, this doctoral thesis is an attempt to establish a rereading of the problem in light of another historiographic perspective: the Christian royalty understood as a result of political praxeology in the visigothic kingdom of Toledo in the 7th century. The choice for this chronological cutting is justified because our proposal consists in analyzing theoretical elaborations on power which made the structuring of the Christian Regnum among the visigoths evident. We therefore take as initial framework in this study the visigoths' conversion to Catholicism at the end of the 6th century, ending in the midst of the 7th century with Taio de Zaragoza, probably the last representative of the cultural flourishing of post-Isidorian Hispania. Once the processes of the theoretical conception of the christian royalty among the goths were studied, we saught to understand how the choice and legitimation of the king were made before the political society - at that time, basically constituted by the Church and Aristocracy. Presented diachronically, the elements derived from the reading and critical appreciation of the sources led us, in the end, to determine the constituting role of some representatives of the Ecclesia in this process. From reciprocal implications in the exercise of power we conclude that the visigothic political theory did not emerge exclusively by the work of the hispanic bishop, but as a long-term process based on different forms of power relationships which were determined according to their specific realization contexts. Keywords: Christian Royalty, Political Theory, Ointment, Political Praxeology, Taio de Zaragoza.
dc.format.extent281f : il., algumas color., maps.
dc.format.mimetypeapplication/pdf
dc.languagePortuguês
dc.relationDisponível em formato digital
dc.subjectCiência política
dc.subjectVisigodos - Península Ibérica(Espanha e Portugal) - História
dc.subjectIgreja catolica - Península Ibérica(Espanha e Portugal) - História
dc.titleDe Leandro de Sevilha a Taio de Zaragoza : um estudo sobre a praxiologia política no Reino Visigodo de Toledo
dc.typeTese


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples