Show simple item record

dc.contributor.authorTomczak, Larissa Cristianept_BR
dc.contributor.otherRego, Pedro Costapt_BR
dc.contributor.otherValentim, Marco Antoniopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2015-05-14T16:41:29Z
dc.date.available2015-05-14T16:41:29Z
dc.date.issued2006pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/37982
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Pedro Costa Regopt_BR
dc.descriptionCo-orientador: Prof. Dr. Marco Antonio Valentimpt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Defesa: Curitiba, 16/12/2006pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Filosofiapt_BR
dc.description.abstractResumo: Nessa dissertação, investigamos o desenvolvimento e a fundamentação daquilo que, em nossa compreensão, melhor caracteriza a forma como Kant compreende a moralidade, a saber, a incondicionalidade necessária do princípio moral, que precisa ser, por sua vez, fundada na possibilidade de liberdade transcendental. A questão que surge a partir desse percurso é relacionada à inclusão de um sentimento nessa concepção moral que se pretende independente da sensibilidade, não-patológica, e do estatuto que ele passa a ter. Realizamos então uma exposição acerca do modo como este sentimento específico, o respeito, é trabalhado por Kant em obras de sua filosofia prática, e como alguns comentadores compreendem seu papel. Finalmente, colocamos nosso posicionamento acerca dessa discussão, compreendendo o respeito como, primeiramente, não possuindo o papel de validar a moralidade, mas apenas o de motivo moral enquanto efeito necessário da lei na sensibilidade de seres finitamente racionais, como o homem.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: We started our work by investigating what we understand as the crucial aspect of Kant's conception of morality, that is, the unconditional character of the moral principle, which requires the possibility of transcendental freedom, at least from a practical point of view. We discussed, first, the way Kant deals with this point in different texts, and grounds, or at least expects to ground, this possibility. The question of how a feeling finds a place in a moral theory that defines itself by the exclusion of every element of sensibility imposed itself, and, to examine it, we presented the way Kant and some interpreters understand the matter. Finally, we stated our interpretation of the role of this feeling, as a necessary effect of the moral law in our sensibility.pt_BR
dc.format.extent120f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectMill, John Stuart, 1806-1873pt_BR
dc.subjectFilosofiapt_BR
dc.titleUm estudo acerca do estatuto do sentimento de respeito na filosofia prática kantianapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record