Show simple item record

dc.contributor.authorBarbosa, Josilene da Silvapt_BR
dc.contributor.otherScherer, Luciano Márciopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Sociais Aplicadas. Programa de Pós-Graduação em Contabilidadept_BR
dc.date.accessioned2014-07-23T13:54:35Z
dc.date.available2014-07-23T13:54:35Z
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/35409
dc.description.abstractResumo: A informação contábil possui relevância no mercado de capitais por influenciar as decisões de investimentos. O analista de mercado como intermediário informacional utiliza da informação publica para fazer suas previsões e recomendações, mostrando por meio de seus relatórios, as melhores oportunidades de investimentos. Porém, as previsões dos analistas dependem da qualidade da informação divulgada. Beest, Braam e Boelens (2009) argumentam que apesar de haver inúmeros estudos que abordam a qualidade da informação contábil, na literatura contábil, há somente medidas indiretas para medir a qualidade da informação. Além disso, Malaquias e Oliveira Neto (2011) consideram importante levar em conta a percepção dos usuários da informação quando da construção de instrumentos de coleta de dados. Sendo assim o objetivo deste estudo consistiu em verificar a relação entre os resultados obtidos por meio de uma métrica de qualidade da informação contábil (MQIC), elaborada sob a ótica dos analistas fundamentalistas, com o modelo Basu (1997). Para isso, foi necessário a elaboração de uma métrica de qualidade da informação, cuja construção levou em conta a percepção dos analistas fundamentalistas (especialistas) enquanto usuários das demonstrações contábeis. No processo de construção da MQIC foi utilizada a técnica delphi com aplicação de um questionário elaborado a partir da literatura empírica, normativa e teórica sobre qualidade da informação contábil. A abordagem metodológica do presente estudo é de caráter positivista, com objetivo exploratório e procedimentos bibliográficos e documental. Os resultados do estudo possibilitaram concluir uma MQIC com 17 itens, representantes das características representação fidedigna, relevância e comparabilidade, cuja nota varia numa escala de 0 à 100. Sendo que quanto maior for a pontuação da MQIC, melhor a qualidade da informação contábil divulgada pela empresa. A média geral da métrica final é de 4,3, indicando uma concordância elevada dos analistas fundamentalistas sobre os itens que compõem a MQIC. Além disso o CV é de 18,4% o que indica uma dispersão média dos dados. Os resultados do Alfa de Crombach mostram que a MQIC possui consistência interna de 0,890. A regressão do Modelo Basu (1997) pelo método dos mínimos quadrados ordinários, mostra que apenas cinco empresas da amostra foram conservadoras. Utilizando a métrica de distância euclidiana verifica-se que as companhias Eletropaulo, Klabin, Cyrela Realt, Suzano Papel e Anhanguera estão entre as melhores no ranking de qualidade da divulgação. A relação entre as variáveis MQIC e modelo Basu (1997) foi verificada por meio do teste não-paramétrico Tau de Kendall. Os resultados obtidos com o auxilio do SPSS 15.0, mostram um coeficiente de correlação de -0,044, porém o p-valor foi de 0,659. Isto significa que não há relação entre as variáveis.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectDissertaçõespt_BR
dc.titleMétrica de qualidade da informação contábil sob a ótica dos analistas fundamentalistaspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record