Show simple item record

dc.contributor.authorCat, Rubenspt_BR
dc.contributor.otherRosario Filho, Nelson Augusto, 1949-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescentept_BR
dc.date.accessioned2014-04-07T16:08:30Z
dc.date.available2014-04-07T16:08:30Z
dc.date.issued2007pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/34975
dc.description.abstractResumo: Introdução: Pneumonia continua sendo a principal causa infecciosa de morte na população pediátrica, com aproximadamente 4 milhões de óbitos ao ano. Sua principal complicação é o derrame pleural, presente em até 80% dos casos fatais. Não existe consenso quanto ao seu tratamento ideal. Objetivos: Definir, por meio de ecografia torácica no momento da internação, a indicação do tratamento cirúrgico precoce para diminuir o tempo de hospitalização de crianças com derrame pleural parapneumônico. Material e Métodos: Estudo observacional, prospectivo e de coorte, envolvendo 597 crianças de 1 mês a 14 anos de idade com derrame pleural parapneumônico submetidos a dois protocolos de tratamento. No primeiro (07/1994 à 07/1998) minitoracotomia era realizada após falha do tratamento convencional (antibióticos e drenagem torácica). No segundo protocolo (08/1998 à 07/2007) pacientes com ecografia torácica de alto grau (presença de septações e loculações) eram submetidos à cirurgia (videotoracoscopia ou minitoracotomia) como tratamento inicial. Resultados: Na primeira fase (n = 223) sucesso com tratamento convencional ocorreu em 85,2% (190/223), com tempo de hospitalização de 9,0 dias vs 17,0 dias nos pacientes submetidos à cirurgia (p < 0,01). Na segunda fase (n = 304) 102 pacientes com ecografia de alto grau foram submetidos à cirurgia (85 videotoracoscopia e 17 minitoracotomia) e 162 com ecografia de baixo grau à tratamento convencional. Não houve diferença no tempo de internação entre os dois grupos (9,5 vs 9,0, p = 0,15), mas a necessidade de um segundo tratamento cirúrgico (fracasso) foi significativamente maior nos pacientes com ecografia de baixo grau submetidos à tratamento convencional (27,2% vs 7,8%, p = 0,03). Setenta pacientes que não seguiram os protocolos estabelecidos apresentaram maior tempo de hospitalização (16,0 vs 9,0 dias, p < 0,01). Conclusão: Ecografia torácica foi efetiva para identificar pacientes com derrame pleural parapneumônico que se beneficiariam de tratamento cirúrgico como conduta inicial. Videotoracoscopia e minitoracotomia com debridamento manual mostraram-se seguras e eficazes reduzindo morbidade e tempo de hospitalização dos pacientes em fases mais adiantadas da lesão pleural, sendo a videotoracoscopia mais efetiva que a minitoracotomia.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectDerrame pleural parapneumônicopt_BR
dc.subjectToracoscopiapt_BR
dc.subjectToracotomiapt_BR
dc.subjectTórax - Ultra-sonografiapt_BR
dc.titleTratamento do derrame pleural parapneumônico em criançaspt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record