Show simple item record

dc.contributor.authorZanotti, Luiz, 1954-pt_BR
dc.contributor.otherMiranda, Célia Arns de, 1954-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2019-10-19T15:19:19Z
dc.date.available2019-10-19T15:19:19Z
dc.date.issued2012pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/32881
dc.descriptionOrientadora: Profa. Dra. Celia Maria Arns de Mirandapt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Letras. Defesa: Curitiba, 02/03/2012pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 188-203pt_BR
dc.description.abstractResumo: Marcos Barbosa, um dos mais promissores dramaturgos brasileiros contemporâneos, cujas peças foram produzidas não apenas nos Estados Unidos como também em diversos países da Europa, escreveu o texto dramatúrgico Auto de Angicos (2003) a partir de uma solicitação da diretora baiana Elisa Mendes. Auto de Angicos, que recebeu o prêmio ?Braskem de Melhor Texto? em 2004, é uma peça que remete ao casal de cangaceiros Lampião e Maria Bonita momentos antes de serem dizimados no Grotão de Angicos. Barbosa demonstra em seu texto que o relacionamento íntimo do casal é recheado de gentilezas, alegrias, desapontamentos e perdas, como ocorre nos relacionamentos de tantos outros casais. O dramaturgo cearense dissocia a imagem de Lampião, geralmente ligada a confrontos violentos, ao escolher como cenário o Grotão de Angicos tal qual a ?sala de uma casa?. Auto de Angicos teve duas produções: uma da diretora Elisa Mendes, em 2003, e outra do diretor mineiro Amir Haddad, em 2008. A proposta deste trabalho centraliza-se na análise da peça nos seus aspectos textuais e espetaculares a partir de contextos históricos, estéticos e filosóficos, o que possibilitou um embasamento teórico mais abrangente para a discussão da dissolução das antinomias e a discussão da importância do corpo no teatro contemporâneo. A peça se insere no panorama do teatro brasileiro atual não só por apresentar pela primeira vez no palco a personagem Lampião destituída das polaridades, que ora o apresentam como um herói, ora como vilão, bem como pela priorização da produção de presença na montagem de Haddad. Tal priorização busca desnudar os artifícios geradores da ilusão dramática através da estética brechtiana e da utilização de elementos do teatro de rua. Os atores realizam um jogo performático que conduz o público, através da personagem de Lampião, ao âmago do questionamento sobre as diversas faces do ser humano.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Marcos Barbosa, one of the most promising contemporary Brazilian playwrights, whose plays have been produced not only in the United States but also in several countries of Europe, wrote the dramatic text Auto de Angicos (2003) as a request from the baiana director Elisa Mendes. Auto de Angicos, which was awarded Brasken de Melhor Texto (Brasken of the best text) in 2004, is a play about a couple of cangaceiros, Lampião and Maria Bonita, moments before being decimated in Grotão de Angicos. Barbosa shows in his text how the intimate relationship of the couple is full of kindness, joy, disappointment and losses, what is very similar to any other couple. The cearense playwright tried to dissociate Lampião's image, usually linked to fighting and violent assaults, by choosing Grotão de Angicos as the scenery creating a ?living room? atmosphere. Auto de Angicos had two theatrical productions: the first one, directed by Elisa Mendes, in 2003, and the second, by the director Hamir Haddad, in 2008. The purpose of this work is the analysis of the textual aspects and the stage performance of Auto de Angicos, based on the historical, esthetic and philosophical contexts. This approaching has allowed a more extensive theoretical framework in order to discuss the dissolution of antinomies and the importance of the ?body? in contemporary theater. The play is firmly grounded in the contemporary scenario of the Brazilian contemporary theater because of the priority on the creation of presence in Haddad's production, and also because it presented for the first time to the theater the character of Lampião devoid of antinomies, which sometimes depict him as a hero and other times as a villain. This emphasis tries to denude the artifices that create the dramatic illusion following the Brechtian aesthetics and also by using Street Theatre elements. By means of Lampião's character, the actors that perform the play bring the audience to the core of the existential questioning about the complexity of human being.pt_BR
dc.format.extent203f. : tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectLampião, 1900-1938pt_BR
dc.subjectMaria Bonita, 1911-1938pt_BR
dc.subjectTeses - Letraspt_BR
dc.subjectLiteratura de cordel brasileirapt_BR
dc.subjectTeatro brasileiropt_BR
dc.subjectLetraspt_BR
dc.titleA longa travessia de Lampião : da literatura de cordel ao espetáculo teatral Virgolino e Maria: Auto de Angicospt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record