Show simple item record

dc.contributor.authorMoreschi, Elizabeth Mariapt_BR
dc.contributor.otherMoutinho, Luiz Damon Santos, 1964-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Filosofiapt_BR
dc.date.accessioned2019-11-08T16:53:58Z
dc.date.available2019-11-08T16:53:58Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/31796
dc.descriptionOrientador: Prof. Dr. Luiz Damon Santos Moutinhopt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduaçao em Filosofia. Defesa: Curitiba, 25/04/2013pt_BR
dc.descriptionInclui referênciaspt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: História da filosofia moderna e contemporâneapt_BR
dc.description.abstractResumo: A articulação entre inconsciente e linguagem, manifesta em Freud, é retomada por Lacan com o intuito de situar o devido lugar da linguagem em sua relação com o inconsciente, uma vez que o movimento psicanalítico posterior a Freud deturpa a leitura do inconsciente de modo a situá-lo num campo psicologizante, subjetivado. Esta é a denúncia feita por Lacan: inconsciente e verdade foram lançados pelos psicanalistas como mais um destes conceitos que parecem estar tão atrelados ao seu sentido e que ficam fora de questão, pressupõem quase que instantaneamente um entendimento, uma compreensão atrelada ao próprio conceito. Consequentemente Lacan denuncia os desvios dos psicanalistas da própria Psicanálise, na medida em que se aproximam mais de uma psicologia do inconsciente, como uma prática voltada para o fortalecimento do eu, do que de fato para uma prática que tem como vértice a ética do desejo, tomado como efeito da articulação da cadeia significante da linguagem, tal como a proposição freudiana a ser resgatada por Lacan. Com esta perspectiva temos que o retorno a Freud proposto por Lacan não diz respeito a uma releitura de Freud, mas sim diz de um retorno aos fundamentos éticos da Psicanálise. Nesse retorno Lacan irá resituar a dimensão ética do desejo na experiência psicanalítica e na noção de sujeito, problematizando a 'dualidade' sujeito/objeto. Por esta via, o sujeito não é causa, mas sim, efeito, causado pelo objeto do desejo e determinado pela linguagem. A noção de sujeito coloca para Lacan a questão do saber enquanto inconsciente, e da verdade enquanto efeito do dizer, como veremos ao investigar os fundamentos do sujeito lacaniano, desde sua referência fenomenológica, quando Lacan recorre principalmente a Hegel, via Kojève, para pensar a constituição do sujeito; passando por Lévi-Strauss que, com a antropologia estrutural, irá possibilitar a aceitação da noção de inconsciente e de um sujeito do inconsciente determinado estruturalmente; até a proposição da subversão do sujeito, em que Lacan pode articular com precisão que o sujeito na Psicanálise é desde o princípio, com Freud, tomado em sua subversão, no que tange um sujeito determinado pelo real da pulsão e pelo simbólico da linguagem, e tendo o desejo como via de expressão. Destes três momentos marcadamente influenciados por distintos referenciais, que serão recortados por textos centrais do período, poderemos verificar os fundamentos filosóficos e clínicos que orientam Lacan a sustentar sua questão sobre o conhecimento e o sujeito naquilo que foge às perspectivas clássicas e positivas. Ou seja, pensar o conhecimento e o sujeito pela via da negatividade - encontrada já em Kojève e sustentada com algumas modificações durante o desenvolvimento de sua pesquisa, via esta que veicula o conhecimento ao saber e o sujeito ao desejo.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Lacan resumes the link between language and the unconscious, manifested in Freud, in order to resituate the status of the language in its relation to the unconscious, since the psychoanalytic movement after Freud had misread the unconscious concept in a psychologized way. This denunciation performed by Lacan says that the concept of "unconscious" had been taken by the psychoanalysts by a term so attached with its meaning, that it was impossible to precise their understanding about it. Therefore Lacan criticizes the psychoanalysts of that period to deviate of psychoanalysis itself, such that their approach became more a sort of a psychology of the unconscious, like something meant to shore up the "self", than actually a practice with its vertex on the "ethics of desire", as the effect of a link on the language "signifying chain", such as the Freudian propositions. With this perspective the "return to Freud" proposed by Lacan wasn't simply a reinterpretation of Freud's theory, but a return to the psychoanalysis ethical foundations. To do that Lacan relocates back the ethical dimension of the desire on the psychoanalysis experience and on the notion of subject, questioning the 'duality' subject/object. That way, the subject is not cause, but effect caused by the desire object and determined by the language. The concept of subject brings to Lacan the problematic of knowing as unconscious and truth as an effect of saying. That is what leads this dissertation the three fundaments of lacanian subject, since his references on (1) the phenomenology, when Lacan resort Hegel, through Kojève, to think the subject constitution; the importance of (2) the structural anthropology of Claude Lévi-Strauss, that makes possible to him to accept the unconscious concept and the notion of a subject of unconscious structural determined; until his proposition to (3) the subversion of the subject, in which Lacan could precisely say that the subject on the Psychoanalysis is taken, since Freud, in its subversion, a subject determined by the symbolic of the language and the real of the Trieb (Freud's drive theory) with the desire as the way of its expression. These three distinct references, and different moments of Lacan's theory, are going to be analyzed interspersed among historical texts of each of those moments. Thus, it will be possible to verify the philosophical and clinical fundaments that had been leading Lacan to sustain his problematic about the knowledge and the subject in that it can scape the classical and positive approaches. I.e., to think the knowledge and the subject by the path of negativity - as it's found in Kojève, and sustained with some modifications during Lacan's theoretical trajectory - a way which conducts the Knowledge to the Knowing and the subject to desire.pt_BR
dc.format.extent108f.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectFreud, Sigmund, 1856-1939pt_BR
dc.subjectLacan, Jacques, 1901-1981pt_BR
dc.subjectDissertações - Filosofiapt_BR
dc.subjectLinguagempt_BR
dc.subjectInconscientept_BR
dc.subjectPsicanálisept_BR
dc.subjectSujeito (Filosofia)pt_BR
dc.subjectDesejo (Filosofia)pt_BR
dc.subjectFilosofiapt_BR
dc.titleLacan e o retorno a Freud : os caminhos de formalização da subversão do sujeito e da dialética do desejopt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record