Show simple item record

dc.contributor.authorReu, Carlos Eduardopt_BR
dc.contributor.otherFadel-Picheth, Cyntia Maria Telles, 1957-pt_BR
dc.contributor.otherPicheth, Geraldo, 1955-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticaspt_BR
dc.date.accessioned2020-07-17T13:52:22Z
dc.date.available2020-07-17T13:52:22Z
dc.date.issued2013pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/30301
dc.descriptionOrientadora : Profª. Drª. Cyntia Maria Telles Fadel-Pichethpt_BR
dc.descriptionCo-orientador : Prof. Dr. Geraldo Pichethpt_BR
dc.descriptionDissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas. Defesa: Curitiba, 19/02/2013pt_BR
dc.descriptionBibliografia : fls 65-75pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentração: Análise Clinícaspt_BR
dc.description.abstractResumo: Infecções do trato urinário (ITU) são muito frequentes, perdendo apenas para as respiratórias. Este trabalho determinou a incidência de bactérias causadoras de ITU em pacientes de Curitiba e realizou análise de grupos filogenéticos e fatores de virulência em 313 estirpes de Escherichia coli, o principal patógeno urinário. Pacientes foram divididos em classes levando-se em conta características que influenciam aquisição e desenvolvimento de ITU: mulheres abaixo de 14 anos, de 14-47 anos (idade fértil), gestantes, mulheres acima de 47 anos (climatério), diabéticas e homens. No geral, a bactéria Escherichia coli se confirmou como bactéria mais prevalente (54,7%), seguida por Streptococcus agalactiae (18,8%), Proteus mirabilis (5,6%), Enterococcus spp (5,2%), Staphylococcus spp (4,8%) e Klebsiella spp (3,9%). Houve diferença significativa na distribuição das bactérias entre as classes de pacientes. Com relação à filogenia de E. coli, o grupo D foi o que mais ocorreu, seguido pelos grupos A, B2 e B1 respectivamente. Entre os homens, porém, o grupo B2 foi mais frequente, e as diabéticas apresentaram distribuição diferente do restante das mulheres. Os fatores de virulência que mais ocorreram foram traT e aer, seguidos de PAICFT073I, hemólise em ágar sangue, sfa, pap, cnf1, afa, formação de cápsula e hly. A ocorrência do gene aer foi significativamente maior entre as mulheres menores de 14 anos. Os grupos filogenéticos B2 e D apresentaram mais fatores de virulência que os grupos A e B1. Foram avaliadas as contagens de bactérias e de leucócitos do exame parcial de urina, sendo que as mulheres de 14-47 anos, independente de gestação, apresentaram mais bactérias que os demais. Mulheres abaixo de 14 anos e homens tiveram maior quantidade de leucócitos. O antibiograma também foi analisado: quinolonas apresentaram maior resistência entre os pacientes mais idosos. Na análise por grupos filogenéticos, B2 mostrou maior sensibilidade às quinolonas em relação aos outros grupos.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The urinary tract infections (UTIs) are very common, second only to respiratory infections. This study determined the incidence of UTI-causing bacteria in patients from Curitiba and conducted analysis of phylogenetic groups and virulence factors in 313 Escherichia coli strains, the main urinary pathogen. The patients were divided in classes according to characteristics that influence the acquisition and development of UTI: women under 14 years, 14-47 years (childbearing age), pregnant women, women over 47 years (in menopause), diabetic women, and men. Overview, the Escherichia coli bacteria was confirmed as most prevalent (54,7%), followed by Streptococcus agalactiae (18,8%), Proteus mirabilis (5,6%), Enterococcus spp (5,2%), Staphylococcus spp (4,8%) and Klebsiella spp (3,9%). There were significant differences in the distribution of bacteria between classes of patients. In relation to the phylogeny of E. coli, group D was the most occurred, followed by groups A, B1 and B2 respectively. Among males, however, the group B2 was more common, and diabetic women had different distribution of the remaining women. The virulence factors that more occurred were traT and aer, followed by PAICFT073I, hemolysis on blood agar, sfa, pap, cnf1, afa, hly and capsule formation. The occurrence of the aer gene was significantly higher among women younger than 14 years. The phylogenetic groups B2 and D had more virulence factors than groups A and B1. Were evaluated the bacterial and leukocyte count in urine: women between 14-47 years, pregnant or not, had more bacteria than the others. Women under than 14 years old and men had a higher number of leukocytes. The antibiogram was also analyzed: the quinolones showed higher resistance among older patients. The analysis by phylogenetic groups, B2 showed greater sensitivity to quinolones compared to other groups.pt_BR
dc.format.extent75f. : il. [algumas color.], grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectDissertaçõespt_BR
dc.subjectBactériaspt_BR
dc.subjectInfecção urinariapt_BR
dc.subjectVirulênciaspt_BR
dc.subjectInfecções por Eschericha colipt_BR
dc.subjectAnalises clinicaspt_BR
dc.subjectFarmáciapt_BR
dc.subjectCiencias farmaceuticaspt_BR
dc.subjectFarmáciapt_BR
dc.titleIncidência de bactérias causadoras de infecção urinária em pacientes atendidos pelas unidades de saúde do Município de Curitiba e análise genética de Escherichia coli Uropatogênicapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record