Show simple item record

dc.contributor.authorAthayde, Gustavo Barbosapt_BR
dc.contributor.otherRosa Filho, Ernani Francisco da, 1952-pt_BR
dc.contributor.otherHindi, Eduardo Chemaspt_BR
dc.contributor.otherLicht, Otávio Augusto Bonipt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias da Terra. Programa de Pós-Graduaçao em Geologiapt_BR
dc.date.accessioned2013-05-27T20:42:14Z
dc.date.available2013-05-27T20:42:14Z
dc.date.issued2013-05-27
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/30066
dc.description.abstractResumo: Os resultados desta pesquisa indicam que o Sistema Aquífero Serra Geral é um importante manancial subterrâneo para o Estado do Paraná. Foram utilizados dados de produção, e coletadas amostras de água para análise físico-química em 337 poços tubulares profundos que operam no abastecimento público de 300 municípios paranaenses. O objetivo geral deste trabalho foi caracterizar e cartografar o Sistema Aquífero Serra Geral no Estado do Paraná, médiante seus aspectos hidrodinâmicos e hidroquímicos regionais. Esta caracterização visa subsidiar com informações científicas projetos voltados à utilização dos mananciais subterrâneos. A análise das curvas potenciométricas permitiu identificar a coincidência geográfica, em escala regional, entre os divisores de água superficiais e subterrâneos. Considerando toda extensão do aquífero no estado do Paraná, o fluxo subterrâneo regional dá-se de leste para oeste, sentido às áreas de descarga situadas nas regiões oeste e noroeste, junto aos rios Paraná (principal área de descarga regional) e Paranapanema, respectivamente. Poços tubulares profundos que interceptam descontinuidades tectônicas e atectônicas saturadas em água, possuem médiana da capacidade específica de 1,54 m3 h m-1 e vazão médiana de 20,6 m3 h-1. As estruturas que compõem o arcabouço estrutural do SASG aqui proposto possuem elevadas profundidades (_ 1km) e conectam diferentes estruturas sub-horizontais atectônicas, características de derrames basálticos, como contatos entre derrames, zonas de cavidades, zonas brechadas. Estas estruturas representam entradas de água no poço e onde estão concentrados os fluxos preferenciais no aquífero. Duas Províncias Hidroestruturais foram propostas a partir do zoneamento quantitativo das vazões e capacidade específica. Poços mais produtivos localizam-se a noroeste do Lineamento Jacutinga e os menos produtivos a sudeste. Quatro "Compartimentos Hidroestruturais" foram delimitados a partir do detalhamento das duas Províncias Hidroestruturais. Poços tubulares perfurados em regiões com fraturamento regional (1:600.000) nas direções norte-sul e leste - oeste, tendem a ser mais produtivos segundo os dados considerados neste modelo. Tais direções são associadas a eventos tectônicos recentes que atuaram e atuam na placa sul-americana, ocorridos próximo ao Estado do Paraná. Este fato reflete a importância do estudo tectônico e estrutural na locação de poços em aquíferos fraturados. A proximidade à estrutura geológica e aspectos geomorfológicos regionais como topos alongados e aplainados; vertentes retilíneas e côncavas na base; vales em calha; vales em V e vales em V encaixados estão associados a poços com bons índices de produção. Do total de 337 amostras de água analisadas, predominaram águas do tipo bicarbonatada cálcica (198 amostras); secundariamente águas bicarbonatadas sódicas (50 amostras); seguidas por águas bicarbonatadas cálcio-magnesianas (25 amostras), carbonatadas sódicas (23 amostras), bicarbonatada cálciosódica (19 amostras), bicarbonatadas sódio-cálcicas (13 amostras). Em menor quantidade ocorrem os seguintes tipos hidroquímicos: bicarbonatada sulfatadasódica; bicarbonatada-carbonatada sódica; sulfatada sódica; bicarbonatada magnésio-cálcica; bicarbonatada nitrato-sódica e nitratada cálcio-sódica. As relações iônicas sugerem o predomínio da alteração de silicatos, sendo que a relação Na/Ca sinaliza para a existência de intemperismo de plagioclásio cálcico, concordante com a mineralogia essencial dos basaltos (plagioclásio cálcico e piroxênio do tipo augita). É importante ressaltar que deve ser considerada a hipótese de mistura de águas entre o SASG e o SAG apenas quando existe condição potenciométrica favorável. Ainda que a potenciometria seja favorável à mistura de águas, o enriquecimento por si em sódio, pH, sulfato, dentre outros, pode ter origem na dissolução dos minerais de preenchimento das fraturas, ou zonalidades geoquímicas dos basaltos. Nestes casos a temperatura das águas pode ser um parâmetro importante na identificação de áreas com misturas de águas. Os resultados aqui apresentados tornam a explotação do SASG paranaense mais previsível, de modo que as empresas de abastecimento público ou empresas privadas interessadas nas águas deste aquífero possam investir com mais segurança seus recursos.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectAquiferospt_BR
dc.subjectBacias hidrograficaspt_BR
dc.subjectPoçospt_BR
dc.titleCompartimentação hidroestrutural do sistema aquífero Serra Geral (SASG) no Estado do Paraná, Brasilpt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record