Show simple item record

dc.contributor.advisorLabronici, Liliana Maria, 1957-pt_BR
dc.contributor.authorVargas, Gabriele dept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagempt_BR
dc.date.accessioned2012-12-13T15:47:05Z
dc.date.available2012-12-13T15:47:05Z
dc.date.issued2012-12-13
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/28991
dc.description.abstractResumo: Trata-se de pesquisa descritiva com abordagem qualitativa a luz do conceito de resiliência, realizada em uma Delegacia da Mulher localizada no município de Guarapuava, Paraná, de dezembro de 2011 a fevereiro de 2012, com 10 mulheres vítimas de violência conjugal, que procuraram o serviço policial para representar judicialmente contra o seu agressor. Teve como objetivo identificar o percurso de resiliência da mulher vítima de violência conjugal. A coleta dos discursos ocorreu mediante entrevista aberta, gravada, e da análise de conteúdo temática, emergiram os seguintes temas: Ameaça à vida e a integridade da família: o início do percurso da resiliência, e Superação da experiência vivida: a adaptação à nova realidade. O perfil das participantes evidenciou que sua idade variou entre 19 e 47 anos, todas eram separadas e tinham filhos, e o ensino fundamental incompleto foi a escolaridade mais predominante entre elas. Em relação à profissão ou ocupação, foi mencionada a de doméstica, comerciante, cabeleireira, cozinheira e do lar. O tipo de violência que sofreram foi a física, psicológica, patrimonial e ameaça contra a vida. A análise dos depoimentos revelou que as participantes da pesquisa decidiram enfrentar a situação e representar contra seu companheiro-agressor quando perceberam que a sua vida, bem como a integridade física de seus filhos e familiares estavam ameaçadas. Os fatores como o apoio encontrado na família e na Delegacia da Mulher tiveram um papel essencial para que as mulheres se sentissem fortalecidas, recuperassem a auto estima e buscassem um novo sentido para sua vida. Este se deu por meio do retorno ao estudo, ou o desejo da retornar à escola, pela busca por um emprego formal, e pela capacidade de projetar o futuro. O processo de enfrentamento da violência fez com que as mulheres avaliassem os danos que a violência acarreta para todos que nela estão envolvidos, se afastassem do convívio com o agressor e procurassem um novo cenário para a sua existência, e, dessa forma, continuaram o percurso de resiliência, mediante a superação do trauma vivido e adaptação a uma nova realidade. Ao finalizar esta pesquisa, foi possível vislumbrar que o conceito de resiliência pode ser explorado na prática cotidiana das enfermeiras, no sentido de transformá-las em tutoras de resiliência.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectSaúde mentalpt_BR
dc.titleO percurso de resiliência da mulher vítima de violência conjugalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record