Show simple item record

dc.contributor.advisorAndré Alexandre Aguiar Kajdascy-Ballapt_BR
dc.contributor.authorRocha, Gilberto Alves dapt_BR
dc.contributor.otherUnviersidade Federal do Paraná. Pós-Graduaçao em Cardiologiapt_BR
dc.contributor.otherFlávio Suplicy de Lacerda Júniorpt_BR
dc.date.accessioned2012-11-30T17:32:18Z
dc.date.available2012-11-30T17:32:18Z
dc.date.issued2012-11-30
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/28765
dc.description.abstractResumo: Já foi demonstrada a participação do sistema do complemento na patogênese da artrite reumatóide e no lúpus eritematoso sistêmico. Na moléstia reumática, as evidências da participação do complemento são contraditórias e há poucos estudos que avaliam a participação das vias clássica ou alternativa nesta doença. Procurando contribuir para o esclarecimento dessas dúvidas, foi elaborado o presente trabalho. Nesse sentido, foram estudados 24 pacientes com o diagnóstico de moléstia reumática em atividade, com seguimento posterior por 6 meses. A ativação da via clássica foi avaliada através da determinação dos índices C4d/C4 e a via alternativa, pela concentração no plasma do fragmento Ba. Ambas as determinações foram realizadas por imunoeletrodifusão quantitativa (imunoeletroforese "em foguete"). Quantificaram- se o complemento hemolítico total (CH50), pela técnica de Mayer, e os componentes C3 e C4 por imunodifusão radial. Mediu-se também a concentração de imunecomplexos circulantes, utilizando-se dois métodos, os radioimunoensaios da conglutinina e do fator reumatóide monoclonal. Em comparação com o grupo-controle, tanto a via clássica (p<0,001) quanto a via alternativa (p<0,02) são ativadas na fase aguda da doença, fato demonstrado pelo estudo dos produtos de degradação. CH50, C3 e C4 foram normais. Os níveis da relação C4d/C4 diminuíram no decorrer da evolução da doença (p<0,01), exceto nos pacientes com cardite grave. Os níveis do fragmento Ba não variaram significantemente no decorrer dos 6 meses. As mucoproteínas, a velocidade de hemossedimentação e a proteína C-reativa voltaram aos níveis normais com a evolução da doença, mesmo nos pacientes em que houve permanência de ativação do complemento. Na determinação de imunecomplexos circulantes, houve uma baixa positividade em nossos pacientes. Demonstra-se haver ativação de ambas as vias do complemento, clássica e alternativa, na moléstia reumática aguda, constituindo um dos prováveis mecanismos mediadores da resposta inflamatória nesta doença.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.titleVias de ativaçao do complemento em moléstia reumáticapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record