Show simple item record

dc.contributor.advisorZanette, Fláviopt_BR
dc.contributor.authorVicentini,Luciene Soarespt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-06-14T14:49:00Z
dc.date.available2013-06-14T14:49:00Z
dc.date.issued2013-06-14
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/26787
dc.description.abstractEste experimento teve como objetivo principal o estudo da propagação vegetativa de mudas de Ocotea porosa e Ocotea odorífera através da micropropagação. O isolamento e a transferência para as demais etapas in vitro foram feitas em câmara de fluxo laminar e os explantes foram mantidos em sala de incubação, com temperatura de 25±2°C, fotoperíodo de 16 horas e luminosidade de 2000 lux. 0 meio de cultura utilizado foi o de MURASHIGE e SKOOG (MS). Segmentos nodais de imbuia e sassafrás com aproximadamente 2 cm de comprimento, obtidos de mudas de 2 anos de idade foram desinfestados em soluções de hipoclorito de sódio (5% de cloro livre) cujas concentrações variaram de 5 a 15% e cultivados em meio MS. A oxidação dos explantes foi controlada utilizando-se solução de ácido ascórbico com concentrações de 0,05 e 0,1 g/l e adição de 0,01 g/l de polivinilpirrolidone ao meio de cultura. Após 4 semanas, as brotações obtidas foram transferidas para meio de multiplicação, onde foram testadas diversas concentrações de BAP e AIB e suas interações em meio MS. Para a obtenção do alongamento das brotações utilizou-se meio MS com BAP (1,62 e 3,23 uM) . Na fase de enraizamento foram testados o meio MS e o meio MS/2 (com metade da concentração de sais) com diferentes concentrações de AIB (2,46 e 4,90 uM) . O melhor tratamento para a assepsia dos explantes de imbuia (73,3% de sobrevivência) foi o que utilizou hipoclorito de sódio a 10% durante 10 minutos, para o sassafrás (72% de sobrevivência) o melhor tratamento foi o que utilizou hipoclorito de sódio 15% por 10 minutos. O controle da oxidação foi obtido utilizando-se 0,1 g/l de ácido ascórbico e adicionando-se polivinilpirrolidone ao meio de cultura para ambas as espécies. A maior taxa de multiplicação obtida para a imbuia foi com a adição de 3,23 uM de BAP e para o sassafrás com a adição de 9,69 uM de BAP. 0 melhor tratamento para o alongamento das brotações de imbuia foi o que utilizou BAP a 1,62 uM; as brotações de sassafrás não tiveram nenhum incremento em sua altura em todos os tratamentos testados. 0 meio MS/2 proporcionou maior índice de enraizamento para a Ocotea porosa, sendo a concentração de 2,46 uM de AIB em meio MS/2 o melhor tratamento, com 64% de enraizamento das brotações. A Ocotea pretiosa não formou nenhuma raiz em quaisquer tratamentos.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectSassafras - Propagação in vitropt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titlePropagação vegetativa "in vitro" de Imbuia(Ocotoa porosa Nees) e Sassafras(Ocotea odorifera Vellozo)pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record