Show simple item record

dc.contributor.authorFerreira, Andréia Cristinapt_BR
dc.contributor.authorAndreoli, Cleverson Vitóriopt_BR
dc.contributor.authorPrevedello, Beatriz Monte Serrat, 1954-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Ciencia do Solopt_BR
dc.date.accessioned2012-01-18T10:10:29Z
dc.date.available2012-01-18T10:10:29Z
dc.date.issued2012-01-18
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/26545
dc.description.abstractRESUMO Para que o lodo seja utilizado com segurança como fertilizante agrícola, é necessário processá-lo corretamente. Normalmente, esses processos envolvem práticas de desaguamento, estabilização/higienização. O primeiro é indispensável para otimizar as práticas de manejo do lodo para a secagem do material, reduzindo consideravelmente o volume e melhorando o transporte. O processo de higienização reduz a quantidade de patógenos presentes no biossólido. Este trabalho mostra os resultados do estudo com o uso de estufas plásticas sobre os leitos de secagem, aliados à injeção de calor através dos gases gerados no próprio processo de tratamento do esgoto (biogás), associado ao processo de revolvimento, mostraram-se eficientes na redução do período necessário para a secagem do lodo, diminuindo o tempo de permanência do lodo dentro dos leitos de secagem. Os tratamentos com uso de estufa plástica e estufa aliada à queima de biogás, apresentaram os maiores teores de sólidos totais no lodo que os demais, alcançando um teor médio aproximado de 71,00% de sólidos totais, com valores variando de 52,12% à 84,44% para a primeira e segunda descargas. Já na terceira descarga, os teores de sólidos foram um pouco mais baixos, com média aproximada de 55,45%, com valores variando de 39,8% à 68,30%. Os tratamentos com solarização com e sem revolvimento, apresentaram valores menores em relação ao teor de sólidos totais, pois a presença do filme plástico sobre a camada de lodo impossibilitou a liberação da água através da evaporação para a atmosfera, fazendo com que a água fosse incorporada novamente à massa de lodo. Em relação à redução da viabilidade de ovos de helmintos, na primeira descarga os tratamentos utilizando solarização com e sem revolvimento foram os mais eficientes, apresentando 0,34 e 1,44 ovos/ g/ MS após 28 dias de experimento, apresentando um percentual de redução de 97,48% e 89,33% respectivamente. Na segunda descarga, os tratamentos com estufa plástica e biogás com e sem revolvimento destacaram-se dos demais apresentando 5,06 e 3,99 ovos g/ MS, alcançando uma redução de 89,84% e 92,00% respectivamente. Já na terceira descarga os três melhores resultados obtidos foram os tratamentos utilizando estufa associada ao biogás, solarização com e sem revolvimento com 9,05, 9,33 e 7,91 ovos/g/MS com uma redução de 84,51%, 84,03% e 86,46% respectivamente. Estes valores ainda não atendem as normatizações internacionais, nem a Instrução Normativa proposta pelo Estado do Paraná que preconizam 0,25 ovos viáveis/g/MS, porém, alguns dos valores chegam muito próximo ao estabelecido, mostrando com isso, que o experimento se mostrou eficiente ao objetivo proposto que era o de diminuir o número de ovos de helmintos viáveis presentes no lodo.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.titleMonitoramento da secagem e desinfecçao de lodo anaeróbio em leito de secagem com uso de estufa plástica e biogáspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record