Show simple item record

dc.contributor.advisorLopes, Paulo César de Azevedo Simõespt_BR
dc.contributor.authorWedekin, Leonardo Liberalipt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Zoologiapt_BR
dc.date.accessioned2018-02-06T17:47:54Z
dc.date.available2018-02-06T17:47:54Z
dc.date.issued2011pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/26515
dc.descriptionOrientador : Prof. Dr. Paulo César Simões-Lopespt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Zoologia. Defesa: Curitiba, 30/06/2011pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 131-144pt_BR
dc.descriptionArea de concentração: Zoologiapt_BR
dc.description.abstractResumo: A baleia-jubarte (Megaptera novaeangliae) é uma espécie migratória anual, que reproduz em regiões tropicais no inverno, e se alimenta em mares produtivos de altas latitudes no verão. Sua população mundial foi reduzida pela caça comercial que aconteceu principalmente na primeira metade do século passado a pequenas frações das populações originais. Um dos estoques reprodutivos do Hemisfério Sul usa as águas quentes e rasas da costa leste e nordeste do Brasil para reprodução, principalmente entre julho e novembro. Com intuito de investigar a demografia e uso espacial deste estoque reprodutivo, a baleia-jubarte foi estudada dentro de um projeto de monitoramento populacional em longo prazo utilizando duas plataformas principais de pesquisa: levantamentos aéreos (entre 2001 e 2008) e cruzeiros sistemáticos de embarcação (entre 1989 e 2008). Esta espécie ocorreu ao longo de praticamente toda a área de estudo, entre as costas dos Estados do Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro, mas concentrando-se entre as latitudes entre 10 e 20°S. As baleias-jubarte se concentraram num banco raso e com uma ampla plataforma continental, denominado de Banco dos Abrolhos (extremo sul do Estado da Bahia e norte do Estado do Espírito Santo). Dentro deste banco, as baleias-jubarte usaram intensivamente as regiões ao redor do maior complexo recifal do Oceano Atlântico Sul. Aspectos físicos do habitat como profundidade média, largura da plataforma continental, gradiente de profundidade, distância da costa e outros explicaram a maior parte da variação espacial da abundância encontrada para a espécie em sua área de reprodução. Muitos indivíduos foram reavistados no Banco dos Abrolhos em períodos de até 16 anos, sugerindo uma fidelidade de longo prazo de uso deste banco. Diferentes intensidades de movimentos foram encontradas para os indivíduos identificados, sendo que alguns se movimentaram grandes distâncias de até 600 km em poucos dias, enquanto outros permanecem em uma mesma área por várias semanas em uma mesma temporada. Movimentos de longa distância dentro e entre diferentes temporadas sugerem que as baleias-jubarte que usam o Brasil fazem parte de um único estoque reprodutivo. A abundância deste estoque foi estimada em 9.330 baleias em 2008 (IC 95% = 4.857 – 20.299; CV = 28,1%). O crescimento estimado para este estoque reprodutivo entre 2002 e 2008 através de sobrevoos foi estimado em 15,2% ao ano (IC 95% = 11,3 a 19,1%). A probabilidade de sobrevivência dos adultos desta população entre 1989 e 2008 foi alta, de 0,94 (IC 95% = 0,90 a 0,96). As informações apresentadas neste estudo preenchem importantes lacunas de conhecimento Wedekin, 2011. Ecologia populacional da baleia-jubarte no Brasil. para esta espécie no Brasil e no Hemisfério Sul, que subsidiam políticas nacionais e internacionais de conservação. No Banco dos Abrolhos, recomendam-se medidas que aumentem a proteção de habitats críticos da espécie, incluindo a ampliação de áreas protegidas já estabelecidas, como o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, e a criação de novas áreas protegidas, bem como da efetiva implantação de suas zonas de amortecimento.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The humpback whale (Megaptera novaeangliae) undertakes annual migrations between breeding grounds in winter tropical areas, and feeds in productive waters of high latitudes in the summer. Its global population was reduced to a small fraction of its original size due to the commercial whaling mainly in the first half of the last century. One of the breeding stocks of the humpback whale in the Southern Hemisphere uses the shallow and warm waters of the east and northeastern coast of Brazil, mainly from July to November. Aiming to investigate the demography and spatial use of this breeding stock, the humpback whale was studied through a long term population monitoring project using two research platforms: aerial surveys (from 2001 to 2008), and systematic boat cruises (from 1989 to 2008). This species occured along the main part of the study area, between the coasts of the States of Rio Grande do Norte and Rio de Janeiro, but was concentrated from 10 to 20¡ÆS. Within this breeding ground, the humpback whales. core habitat was a shallow bank with a wide continental shelf, called the Abrolhos Bank (in the extreme south of the State of Bahia and north of the State of Espirito Santo). The distribution inside the Abrolhos Bank was heterogeneous with intense use of the waters around the largest reef complex of the southern Atlantic Ocean. Physical habitat variables such as mean depth, depth gradient, continental shelf width, distance to shore and others explained a large amount of the spatial variation in the abundance found in our study area. Many whales were resighted for periods longer than 16 years in the Abrolhos Bank, suggesting long term site fidelity. Different movement rates were observed for different whales, with some of them being resighted in the same breeding season across more than 600 km within a period of few days, while others used the same region for many weeks. Long-range movements within and between seasons support the single stock hypothesis for humpback whales wintering off the Brazilian coast. Abundance for this stock was estimated to be 9.330 whales in 2008 (CI 95% = 4.857 . 20.299; CV = 28,1%). The rate of increase between 2002 and 2008 estimated through aerial surveys was 15,2% per year (CI 95% = 11,3 a 19,1%). The adult survival probability of this population between 1989 and 2008 was high, equal to 0,94 (CI 95% = 0,90 to 0,96). The informations presented here fill important gaps of knowledge for this species in Brazil and the Southern Hemisphere, and subsidize national and Wedekin, 2011. Ecologia populacional da baleia-jubarte no Brasil. international conservation policies. Effective measures to increase the protection of core habitats in the Abrolhos Bank are highly reccomended, including the expansion of stablished protected areas (such as the National Marine Park of Abrolhos), and the creation of new areas and their respective buffer zones.pt_BR
dc.format.extent144f. : il.[algumas color.], grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectBaleia-jubartept_BR
dc.subjectEcologiapt_BR
dc.subjectConservaçãopt_BR
dc.subjectAtlantico Sul, Oceanopt_BR
dc.subjectZoologiapt_BR
dc.titleEcologia populacinal da Baleia-Jubarte (Megaptera Novaeangliae Borowski, 1871) em sua área reprodutiva na Costa do Brasil, Oceano Atlântico Sul.pt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record