Show simple item record

dc.contributor.advisorChaves, Paulo de Tarso Cunha, 1958-pt_BR
dc.contributor.authorZanlorenzi, Diegopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Biológicas. Programa de Pós-Graduaçao em Zoologiapt_BR
dc.date.accessioned2011-07-18T12:27:33Z
dc.date.available2011-07-18T12:27:33Z
dc.date.issued2011-07-18
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25890
dc.description.abstractResumo: O trabalho descreve a pesca praticada em cevas na região oeste da Baía de Guaratuba, Paraná. É uma modalidade amadora e recreativa, que difere de métodos convencionais para captura de tainhas no litoral paranaense. Importante para pescadores locais, como renda alternativa e parte da subsistência, e para pescadores amadores como atividade corriqueira de lazer. Entre julho de 2009 e junho de 2010, foi acompanhada a dinâmica da pesca, desde o manejo das cevas, até a prática da pesca. Além da caracterização da pesca, foram verificados os tamanhos de captura, relação peso-comprimento e frequência dos estágios de desenvolvimento gonadal, objetivando avaliar se há seletividade sobre os exemplares. Através da análise histológica das gônadas e da variação do Índice Gonadossomático (IGS), foi verificado se há espécies em atividade reprodutiva e indícios de desova na região. Foi também analisada a dieta das espécies mais abundantes, através dos métodos de Frequência de Ocorrência (FO) e Contagem de Pontos (CP), conjugados através do Índice Alimentar (IA), objetivando avaliar a influência da alimentação artificial sob a dieta natural destas espécies. A época de maior procura é de maio a setembro, período em que há maior investimento na construção e manutenção de cevas. No total, foram analisados 1144 indivíduos pertencentes a 24 espécies e 13 famílias, capturados em 38 cevas amostradas, com destaque para Ariidae (n=450) e Mugilidae (n=203), sendo que o maior número de exemplares foi registrado no outono. Foram registradas diferenças significativas para a proporção sexual, com predomínio de fêmeas, e seletividade em relação ao porte, com predomínio de adultos em relação a jovens e 14 das 24 espécies atingindo pelo menos 75% do tamanho citado na literatura, 9 delas aparentemente com crescimento isométrico. Metade das espécies apresentou período reprodutivo ou indícios de desova, sendo os meses de primavera e verão, os que registraram maior atividade reprodutiva. Com a análise de 970 estômagos com conteúdo, pertencentes a 9 espécies, verificou-se que sete (G. genidens, G. barbus, C. spixii, B. ronchus, R. quelen, P. pappenheimi, O. hepsetus) apresentaram hábito carnívoro ou planctófago, sendo crustáceos decápodes os itens de maior relevância, e duas (M. platanus, M. curema) hábito iliófago, com algas diatomáceas e copépodes como itens de maior importância. Foram registradas pequenas variações na composição XII da dieta, mais acentuadas nas espécies dulcícolas. A similaridade dos valores de IA indicou três grupos, um formado pelas espécies dulcícolas, um segundo pelas espécies marinhas, exceto Mugilidae, e o último pelos Mugilidae. Sazonalmente, houve tendência na manutenção dos itens mais frequentes, com pequenas variações entre estações seca e chuvosa, provavelmente devido a elevadas frequências de ocorrência dos alimentos ofertados, que parece ter influenciado na disponibilidade de crustáceos durante a estação chuvosa, sugerindo que este seja um recurso utilizado também por crustáceos, além de peixes.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectTainha (Peixe) - Pescapt_BR
dc.titleA pesca praticada em cevas de tainha (Mugilidade Teleostei) na extremidade oeste da Baía de Guaratuba, Paraná, Brasil.pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record