Show simple item record

dc.contributor.authorSantos, Priscila Bertoldo dospt_BR
dc.contributor.otherStefanello, Joice Mara Faccopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Educação Físicapt_BR
dc.date.accessioned2018-02-07T13:50:23Z
dc.date.available2018-02-07T13:50:23Z
dc.date.issued2011pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25888
dc.descriptionOrientadora : Profa. Dra. Joice Mara Facco Stefanellopt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Biológicas, Programa de Pós-Graduaçao em Educaçao Física. Defesa: Curitiba,28/03/2011pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 98-109pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: Exercício e esportept_BR
dc.description.abstractResumo: Os atletas são submetidos, constantemente, a um grande número de agentes estressores que podem influenciar sua atuação esportiva, devido às alterações psicofisiológicas que ocorrem quando o indivíduo percebe uma situação como estressora. Considerando o crescente aumento na participação de crianças e jovens no esporte de rendimento, o objetivo do presente estudo foi analisar a relação entre o estresse (psicológico e fisiológico) de atletas de futebol de campo da categoria Sub-17 nas situações de treinamento e competição. Participaram do estudo 18 atletas da equipe Sub-17 (categoria de base) de futebol de campo de um clude de futebol paranaense. Como instrumentos foram utilizados: O Questionário de Estresse e Recuperação para Atletas (RESTQ-76 Sport) foi utilizado para determinar o estado atual de estresse e recuperação dos atletas; a Lista de Sintomas de Estresse Pré-competitivo (LSSPCI); A avaliação do estágio maturacional foi realizada pela idade esquelética, a partir da radiografia das mãos e dos unhos dos atletas; e o cortisol salivar (cálculo da AUCg). Para a análise dos dados foi utilizada a estatística Primeiramente aplicou-se a estatística descritiva (frequência relativa, média, valor mínimo, valor máximo e desvio-padrão) e inferencial (Teste t, Anova One Way de medidas repetidas, Anova Two Way de medidas repetidas, Análise de Variância Multivariada (Manova); Correlação Produto Momento de Pearson e ukey), adotado um nível de significância de p<0,05. Os resultados demonstraram que: (a) em geral, os atletas apresentam idade esquelética acima da linha de identidade (idade cronológica), estando classificados com estágio maturacional normal ou precoce; (b) os atletas apresentaram moderada ocorrência dos sintomas de estresse pré-competitivo, independente do seu estágio maturacional; (c) os atletas apresentaram baixos escores nas escalas de estresse e altos escores nas escalas de recuperação, nas situações de treinamento e competição, independente do seu estágio maturacional; somente a escala de Recuperação presentou diferença significativa entre a situação de treinamento e jogo; (d) encontraram-se diferenças significativas entre os valores de AUCg para a maioria das situações analisadas (entre repouso e treinos e entre treinos e jogo); não foi encontrada diferença significativa dos valores de AUCg entre os atletas com diferentes estágios maturacionais; (e) não foi encontrada correlação entre os sintomas de estresse e o estado atual de estresse e recuperação; também não foi encontrada associação e tre os sintomas de estresse e o cortisol salivar (valores de AUCg); (f) em relação à correlação entre os estado de estresse (psicológico e fisiológico), foi encontrada associação significativa somente entre a escala de Recuperação Geral do RESTQSport e o valor de AUCg (referente a concentração de cortisol salivar) na situação de treino 1 (primeiro treino semanal). Com o presente estudo, pode-se concluir que, independente do estágio maturacional (normal e precoce) e da situação analisada (treinamento e jogo), os atletas estudados apresentaram boa capacidade de recuperação, pois não foram encontradas emoções negativas extremas sugestivas de estresse. O que pode ser associado à percepção dos atletas em relação à situação ambiental, gerando resposta fisiológica correspondente. Ou seja, a demanda fisiológica e psicológica despendida pelos atletas pode não ter sido suficientemente capaz de gerar significativa descarga hormonal.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: Athletes are constantly submitted to large number of stress agents that can influence your sporting performance, due to psychophysiological changes that occur when the individual perceives a situation as stressful. Considering the increasing participation of children and youth in performance sport, the objective of this study was to examine the relationship between stress (both physiological and psychological) of football players of Sub-17 category in the situations of training and competition. 18 football players from the Sub-17 category of a Paranaense team were in the study (base category). The instruments used were: Questionnaire Stress and Recovery for Athletes (RESTQ-76 Sport) was used to determine the current state of stress and recovery of athletes; Pre-Competitive Stress Symptoms List (LSSPCI); The evaluation of maturational stage was achieved by skeletal age from hands and wrists radiographs of the athletes, and salivary cortisol (calculation of AUCg). For the data analysis was used the statistical. First applied descriptive statistics (relative frequency, average, minimum, maximum values and standard deviation) and inferential (T test, One Way ANOVA for repeated measures, two-way ANOVA repeated measures, Multivariate Variance Analysis (MANOVA); Moment Product Correlation of Pearson and Tukey), adopted significance level of p <0.05. The results showed that: (a) in general, athletes have skeletal age above the line of identity (chronological age), being classified as normal or early maturation stage, (b) athletes showed a moderate occurrence of symptoms of pre-competitive stress regardless of their maturational stage, (c) athletes showed low scores on stress scales and high scores on recovery scales, in training and competition situations, regardless of their maturational stage, only recovery scale showed a significant difference between the training situation and the game, (d) It found significant differences between the values of AUCg for most situations analyzed (between rest and training and between training and the game), no significant difference on AUCg value was found between athletes with different maturational stages (e) no correlation was found between stress symptoms and current state of stress and recovery, also no association was found between stress symptoms and salivary cortisol (values AUCg), (f) in relation to the correlation between the state of stress (psychological and physiological), only significant association was found between the scale of ecovery-General of RESTQ Sport and AUCg value (corresponding to the concentration of salivary cortisol) in a first training situation (first weekly training). In this study, we can conclude that, regardless of maturation stage (early and normal) and analyzed situation (training and game), the athletes showed good recovery ability, since there were no extreme negative emotions suggestive of stress. What can be ssociated with athletes' perception regarding the environmental situation, generating corresponding physiological response. That is, physiological and psychological demands spent by athletes may not have been sufficiently able to generate significant hormonal discharge.pt_BR
dc.format.extent126f. : il. [algums color], grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectFutebolpt_BR
dc.subjectStress (Fisiologia)pt_BR
dc.subjectEducação físicapt_BR
dc.titleEstresse psicofisiológico em atletas de futebol de campo da categoria Sub-17pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record