Show simple item record

dc.contributor.authorSilva, Isabele Eliane dapt_BR
dc.contributor.otherVega, Cristina Silveirapt_BR
dc.contributor.otherReis Neto, Jose Manoel dos, 1956-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias da Terra. Programa de Pós-Graduaçao em Geologiapt_BR
dc.date.accessioned2011-07-05T11:20:51Z
dc.date.available2011-07-05T11:20:51Z
dc.date.issued2011-07-05
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25845
dc.description.abstractResumo: O estudo dos estromatólitos vem se tornando objeto de grande interesse para a geologia exploratória de hidrocarbonetos e de água. A caracterização de estromatólitos gera subsídios para a correlação de parâmetros paleoecológicos e paleoambientais com propriedades sedimentológicas, e a distribuição destas propriedades, sendo importante para auxiliar a caracterização das heterogeneidades e a qualidade de potenciais rochas-reservatório. No Conjunto Litológico Rio Branco, Formação Capiru, Grupo Açungui, existem exposições estromatolíticas presentes em calcários dolomitizados de idade Neoproterozóica que necessitam de uma caracterização detalhada. Para tanto, este estudo foi desenvolvido no Conjunto Litológico Rio Branco, em afloramentos das pedreiras Motin Pavin (MP) (Colombo), Morro Azul e Tranqueira (Almirante Tamandaré), localizadas na região metropolitana de Curitiba, Estado do Paraná. Com base na caracterização morfológica da macroestrutura e mesoestrutura estromatolítica, apresentamos uma concepção preliminar do ambiente deposicional, fornecendo dados para futuras correlações da área estudada com outros locais, ressaltando a importância dos estromatólitos. As pedreiras Motin Pavin, Morro Azul e Tranqueira ocorrem na mesma seqüência litológica, porém foi observado que a Pedreira Motin Pavin apresenta estruturas estromatolíticas diferentes das ocorrentes nas outras pedreiras estudadas. A Pedreira Motin Pavin foi estudada com base nas três unidades faciológicas (MPA, MPB e MPC) propostas em estudos anteriores. Na unidade MPA, não foram encontrados estromatólitos, o que pode caracterizá - la como um ambiente de inframaré. Nas unidades MPB e MPC a macroestrutura estromatolítica foi caracterizada, sendo diferenciados cinco morfótipos, sendo que quatro deles se assemelham no tamanho e freqüência de ramificação, possuindo colunas de diâmetros e alturas centimétricas a decimétricas, e o outro morfótipo é caracterizado com sendo um bioerma tabular cumulado de tamanho centimétrico. Nas melhores exposições desta área ocorre a predominância de estromatólitos que estão agrupados em bioermas de estromatólitos colunares, com indícios de exposição sub-aérea ou retrabalhamento sub-aéreo por ondas, evidenciando desta forma um ambiente de supramaré a intermaré. Na Pedreira Tranqueira ocorrem bioermas estratiformes associados a estruturas onduladas, gretas de dessecação, teepes e intraclastos. Na Pedreira Morro Azul os estromatólitos foram identificados como bioermas dômicos, pseudocolunares, ocorrendo associados a estruturas onduladas. Em ambas as pedreiras o ambiente deposicional é caracterizado como sendo de supramaré a intermaré superior. A análise integrada considerando a relação dos morfótipos estromatolíticos com os possíveis ambientes de sedimentação para o Conjunto Litológico Rio Branco permite concluir que as litologias das Pedreiras Motin Pavin, Tranqueira e Morro Azul foram depositadas em um ambiente marinho plataformal raso.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectGeologia estratigrafica - Proterozoicopt_BR
dc.subjectMinas e recursos mineraispt_BR
dc.subjectSedimentos (Geologia)pt_BR
dc.titleEstromatólitos Neoproterozóicos registrados no conjunto Litológico Rio Branco (Formação Capitu, Grupo Açungui).pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record