Show simple item record

dc.contributor.authorAlencar, Paulo Gilberto Cimbalista dept_BR
dc.contributor.otherStahlke Junior, Henrique Jorge, 1942-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias da Saúde. Programa de Pós-Graduaçao em Clínica Cirúrgicapt_BR
dc.date.accessioned2011-06-15T14:37:27Z
dc.date.available2011-06-15T14:37:27Z
dc.date.issued2011-06-15
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25697
dc.description.abstractResumo: Nas operações de revisão de artroplastia de joelho em que é feita a troca dos componentes da prótese é frequente haver perda óssea local, causada por soltura asséptica, infecção, osteólise, fratura ou de origem iatrogênica no momento da retirada dos componentes. Entre as possibilidades de reconstrução, tecido ósseo alogênico tem sido empregado em alguns centros como forma de tratamento de tais defeitos. Objetivo: Avaliar os resultados do transplante de tecido ósseo alogênico no tratamento dos defeitos ósseos encontrados nas operações de revisão de artroplastia total de joelho. Material e Métodos: foram valiados 25 joelhos em 22 pacientes, acompanhados até a última consulta ou falha do procedimento com nova intervenção cirúrgica. Treze pacientes eram do sexo feminino e nove do sexo masculino. A idade variou de 24 anos e cinco meses a 83 anos e três meses no momento da operação, com média de 67 anos e seis meses, e o tempo de seguimento pós-operatório variou de 60 a 173 meses, com média de 114 meses. Os tecidos ósseos transplantados foram moídos em nove ocasiões e estruturais em 30; utili ados em defeitos no fêmur em três casos, na tíbia em oito casos e 14 vezes em ambos os ossos. Em 21 componentes femorais e 20 componentes tibiais foram utilizadas hastes intramedulares. Todos os componentes foram fixados com cimento polimetacrilato de metila. Resultados: Onze das 25 operações necessitaram de reoperação. Em quatro joelhos a falha foi diretamente relacionada ao enxerto (16%). No 14 joelhos dos 12 pacientes que não foram reoperados os resultados clínicos, de acordo com a avaliação da Knee Society, passaram de uma média de 41,2 pontos (variando de três a 74) para 87 pontos (67 a 100), no tempo de acompanhamento pós-operatório de 114 meses em média (mínimo de 60 e máximo de 173 meses). Na última avaliação radiográfica das operações que se mantiveram funcionais, notou-se consolidação do tecido transplantado em 18 dos 19 joelhos, e em um houve permanência de interlinha entre o tecido transplantado e o osso hospedeiro. Um joelho mostrou sinais sugestivos de soltura do componente e em dois notou-se reabsorção do tecido. Não houve caso de infecção pós-operatória. Conclusão: Considerando-se a alta omplexidade destes procedimentos, o transplante de tecido ósseo alogênico estrutural apresentou bons resultados, em médio prazo, no preenchimento de defeitos ósseos encontrados em revisão de artroplastia total de joelho.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectTransplante homólogopt_BR
dc.subjectTransplante ósseopt_BR
dc.subjectArtroplastia do joelhopt_BR
dc.titleTransplante de tecido ósseo alogênico na reconstrução da perda óssea em cirurgias de revisão de artroplastia total de joelhopt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record