Show simple item record

dc.contributor.advisorBolzón de Muñiz, Graciela Inéspt_BR
dc.contributor.authorPereira, Sanatiel de Jesuspt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-05-21T19:04:47Z
dc.date.available2013-05-21T19:04:47Z
dc.date.issued2013-05-21
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25435
dc.description.abstractEste trabalho trata da avaliação das características morfológicas das fibras e das propriedades das polpas celulósicas obtidas à partir das palhas provenientes das folhas das palmáceas Mauritia vinifera Martius e Bactrís inundata Martius pelo processo kraft, utilizando a teoria de superfície de resposta, como tratamento estatístico, para avaliar a influência das variáveis álcali ativo, temperatura máxima e tempo na temperatura máxima no cozimento, tendo em vista, as suas utilizações como matérias-primas alternativas na produção de papel. O álcali ativo foi conduzido em teores de 8,32 a 11,68 %; a temperatura máxima de 157 a 174 °C; e o tempo na temperatura variou de 13 a 47 minutos. Para a suifidez foi estabelecido um valor constante de 20 %. A relação licor/palha foi estabelecida de 6/1. As pastas celulósicas de B. inundata foram submetidas a refinações, em moinho Jokro, conduzidas em tempos de 10, 30 e 40 minutos, e de M. vinifera em tempos de 25, 50 e 75 minutos. A M. vinifera na sua caracterização morfológica apresentou fibras com comprimento médio de 1,60 mm, largura de 10,03 ¡j.m, lume de 3,42 n.m e espessura da parede de 3,30 um, classificadas como curtas. B. inundata apresentou duas fibras diferenciadas pelas suas características morfológicas. Uma, (Fibra A), com comprimento médio de 0,69 mm, largura de 10,56 ^m, lume de 2,63 um e espessura da parede de 3,97 um, classificada como curta; outra, (Fibra B), com comprimento médio de 2,33 mm, largura de 7,66 um, lume de 1,85 ¡im e espessura da parede de 2,91 p.m, classificada como longa. A fibra de M. vinifera apresentou, em termos de valores médios, um baixo coeficiente de flexibilidade (34,27%) e um alto índice de enfeltramento (165,25). A fibra "A" de B. inundata apresentou um baixo coeficiente de flexibilidade (25,12%) e um razoável índice de enfeltramento (66,85). A fibra "B" de B. inundata apresentou um baixo coeficiente de flexibilidade (24,09%) e um altíssimo índice de enfeltramento (313,59). As relações entre as dimensões das fibras indicaram valores que resultariam em papéis com altos índices de rasgos e baixos valores nas outras propriedades físico-mecânicas. Foi verificado que embora as fibras celulósicas destas palmáceas não apresentassem, em função das suas características morfológicas, bons coeficientes de flexibilidade e índice de enfeltramento, conseguiu-se bons resultados em todas as suas propriedades físicomecânicas utilizando um refino adequado. Os valores das propriedades físicomecânicas, em geral, aumentaram com o tempo de refino, observando-se que estas melhorias das propriedades se deveu ao aumento da flexibilidade das fibras e das ligações entre fibras. Estas propriedades foram acompanhadas através de microscopía eletrônica de varredura (MEV) para melhor observar as inter-relações entre as fibras. M. vinifera e B. inundata apresentaram valores máximos de rendimento de 66,46 e 60,34% respectivamente, bastante altos. Verificou-se que os altos valores de rendimento de polpa celulósica se deveu, principalmente, aos altos teores de celulose (69,41 e 65,48%, respectivamente) e pentosanas (16,10 e 7,6%, respectivamente) que estas palhas apresentaram. O tratamento estatístico demonstrou que o álcali ativo, dentro de um intervalo de confiança a um nível de 95%, é a variável mais importante na etapa de cozimento. Pelos resultados obtidos, dentro das condições adotadas nestes experimentos, as palhas obtidas à partir das folhas destas espécies, apresentaram boas características tecnológicas para a produção de celulose, sugerindo estas espécies como fontes alternativas não arbóreas de matérias-primas para a produção de celulose kraft. Palavras-chave: Polpa, Celulose, Papel, Kraft, Palmáceas, Mauritia, Bactrís, Buriti, Tucum.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectCelulose não originada da madeirapt_BR
dc.subjectPalmeirapt_BR
dc.subjectPolpação alcalina por sodapt_BR
dc.subjectPolpação alcalina por sulfatopt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleAvaliaçao das características e propriedades da polpa celulósica de mauritia vinifera Martius e Bactris inundata Martius (Palmae) pelo processo kraftpt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record