Show simple item record

dc.contributor.advisorAraujo, Antonio Jose de, 1948-pt_BR
dc.contributor.authorSouza, Sérgio Luiz dept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2011-03-25T21:43:17Z
dc.date.available2011-03-25T21:43:17Z
dc.date.issued2011-03-25
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25373
dc.description.abstractA produção diária de borras oleosas resultantes do processamento do petróleo, vem causando dificuldades às indústrias do setor petrolífero em relação ao armazenamento, disposição final e monitoramento desses resíduos, que podem gerar riscos para a saúde humana e para o meio ambiente. A degradação de resíduos industriais no solo é uma técnica de tratamento com menor custo financeiro quando comparado a outros métodos como incineração e pirólise. Além de que, apresenta resultados satisfatórios na eliminação das borras oleosas quando são oferecidas condições físico químicas adequadas para a biodegradação pela população microbiana do solo. A utilização de plantas no processo de biorremediação, recentemente chamada de fitorremediação, vêm destacando-se pela comprovada capacidade de degradação de contaminantes e absorção de metais pesados pela rizosfera. Baixo custo financeiro, facilidade de monitoramento e melhor aceitação visual são algumas vantagens desta técnica. Pelo fato da descontaminação do solo através das plantas ser uma técnica recente, no Brasil ainda são poucos os trabalhos publicados sobre espécies com esta habilidade e não existem referências na legislação. Mas, pesquisas indicam que as principais restrições de aplicação da fitorremediação consistem no tempo de biorremediação, heterogeneidade dos resíduos, textura do solo e profundidade do lençol freático. Neste trabalho foram testadas e avaliadas num período de 918 dias 13 espécies de árvores para a revegetação de uma área de biodegradação de borras oleosas (área de biorremediação) da refinaria Presidente Getúlio Vargas PETROBRAS / REPAR no Paraná, Brasil. Em parcelas de Casuarina equisetifolia, Schinus therebínthifolius, Tabebuia chrysotrícha foram feitas enumerações da população microbiana do solo, determinação da atividade respiratória microbiana do solo, determinação do conteúdo de nutrientes e metais pesados nas plantas e produtividade da massa seca. Foram determinadas as modificações nos teores de nutrientes e na capacidade de retenção de água do solo após a aplicação da borra oleosa. Casuarina equisetifolia, Peltophorum dubium e Cupressus lusitanica foram as espécies mais tolerantes aos resíduos (sobrevivência maior do que 81%). Mimosa scabrella, Ilex paraguariensis, Tipuana tipu foram as espécies com menor sobrevivência (19%, 11% e 12% respectivamente). C. equisetifolia acumulou maiores conteúdos de metais pesados na massa seca. Os testes na área de biorremediação foram comparados com uma área testemunha. Palavras-chave: Biorremediação, fitorremediação, áreas degradadas, resíduos oleosos, revegetaçãopt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectRevegetaçãopt_BR
dc.subjectSolos - Remediaçãopt_BR
dc.subjectSolos - Degradaçãopt_BR
dc.subjectPlantas para recuperação de terrapt_BR
dc.subjectSolos - Poluição por petróleopt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleRevegetação de área de biorremediação contaminada por resíduos oleosos de petróleopt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record