Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, João Carlos Garzel Leodoro da, 1961-pt_BR
dc.contributor.authorMartins, Gilsonpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-06-13T19:46:28Z
dc.date.available2013-06-13T19:46:28Z
dc.date.issued2013-06-13
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/25287
dc.description.abstractEste trabalho mostra um estudo de caso sobre a percepção da alta- administração de 31 empresas de móveis dos pólos de Arapongas (Pr), São Bento do Sul (SC) e Bento Gonçalves (RS) sobre a Alca. Os empresários responderam um questionário estruturado e não disfarçado relativo à percepção geral sobre a Alca e sobre questões relativas às barreiras, oportunidades e estratégias de marketing pretendidas frente a tal acordo. Por meio do sistema Aliceweb, disponibilizado pelo MD1C, foram levantados também dados relativos ao comércio internacional de móveis do Brasil de 1996 a 2002. Quando questionados se são favoráveis ou não à Alca, a maioria dos empresários (65%) respondeu "sim, com restrições". Isso denota que de modo geral ainda há de uma indefinição dos empresários sobre este tópico. Ademais, a maioria dos empresários não estão considerando nem planejando em função da Alca e não participam em grupos de pressão para as negociações. No que se refere às questões sobre as barreiras é notável que os empresários possuam a tendência de atribuir mais importância para as questões externas à empresas do que para as questões do domínio da empresa. De modo geral, os empresários atribuem grande importância para a questão cambial, tanto como uma barreira como uma oportunidade dentro da atividade exportadora. Finalmente, definiu-se um conjunto de estratégias de marketing mais provável de ser adotada pelas empresas. Sobre os dados de comércio internacional, verificou-se que dos países da Alca o EUA é o principal destino das exportações brasileiras de móveis. No entanto, os produtos importados desse país possui valor agregado bastante superior (US$ 19 mil /t) do que aqueles que o Brasil exporta para tal mercado (US$ 4 mil/l). Recomenda-se que grande fórum seja aberto para discussões sobre o posicionamento do setor de móveis frente à Alca e a abertura comercial do país. Além disso, os programas de exportação brasileiros deveriam incentivar a exportação de móveis com maior valor agregado, pois apesar de a balança comercial de móveis brasileira ser favorável, há um grande disparate nos preços dos produtos exportados com relação aos importados.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectIndústria de móveis - Brasil, Sul - Integração economicapt_BR
dc.subjectMóveis - Exportação - Brasil, Sulpt_BR
dc.subjectBrasilpt_BR
dc.subjectÁrea de Livre Comércio das Américas (Organização)pt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectBoletim Informativo Florestal e Madeireira 2003pt_BR
dc.subjectBrasil, Sul - Relações economicas exteriorespt_BR
dc.titlePercepçao dos empresários sul-brasileiros do setor de móveis com relaçao à ALCApt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record