Mostrar registro simples

dc.contributor.advisorSbalqueiro, Ives Jose, 1947-pt_BR
dc.contributor.authorSilva, Roxane Wirschumpt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Biológicas. Programa de Pós-Graduaçao em Genéticapt_BR
dc.contributor.otherFreitas, Thales Renato Ochotorena dept_BR
dc.date.accessioned2010-09-16T12:33:01Z
dc.date.available2010-09-16T12:33:01Z
dc.date.issued2010-09-16
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/24267
dc.description.abstractResumo: Os porcos-do-mato, catetos (Tayassu tajacu) e queixadas (Tayassu pecari), são nativos da fauna brasileira e possuem grande importância na alimentação das populações humanas, principalmente das indígenas, além dos criadouros com fins de manutenção, reprodução e exploração comercial. Nos últimos anos, estes animais estão sendo criados e comercializados, pois a carne é saborosa e, portanto, muito apreciada. Entretanto, existe pouca informação a respeito da genética populacional destes animais. O presente trabalho visou avaliar a variabilidade genética em populações de catetos e queixadas mantidas em cativeiro por meio da utilização de marcadores microssatélites. Para tal propósito, foram utilizados seis iniciadores desenvolvidos para porco doméstico (Sus scrofa scrofa), que amplificaram em ambas espécies. A visualização dos alelos foi realizada em gel de poliacrilamida não-desnaturante 10%, revelando a presença de cinco locos polimórficos e um monomórfico. Entre os locos polimórficos, foi observada alta diversidade alélica, sendo de quatro a dezesseis alelos em catetos e de três a dez alelos em queixadas. Porém, a variabilidade genética foi considerada baixa, tendo em vista a alta incidência de indivíduos homozigotos em ambas espécies e em todos os locos, exceto o loco ACTG2 (queixadas), o qual apresentou excesso de heterozigotos. Os valores do conteúdo de informações polimórficas (PIC), foram considerados, em ambas espécies e em todos os locos, altamente informativos. A probabilidade de exclusão combinada (PEC) foi considerada alta e satisfatória em catetos (99,48%) quando se conhece um dos parentais e, em queixadas, a probabilidade de exclusão combinada considerando toda a amostra, foi considerada alta quando se conhece um dos parentais (95,53%), porém não satisfatória para a realização deste tipo de teste. Através do cálculo de Fst, pôde-se verificar que as populações de catetos (Fst=0,042) e queixadas (Fst=0,1387) não estão estruturadas, ou seja, há fluxo gênico entre elas, sendo que a variabilidade encontrada está dentro e não entre as populações. Já quando comparadas as duas espécies, percebeu-se a estruturação, não havendo fluxo gênico entre elas. Os valores de Fis, exceto no loco ACTG2 (queixadas), o qual apresentou valor negativo (-0,0275), nos demais os locos e em ambas espécies (0,1985 a 0,9284 em catetos e 0,3621 a 0,4754 em queixadas), revelaram um alto índice de homozigose, causada, provavelmente, por endocruzamento. O presente trabalho constatou o sucesso da amplificação heteróloga em catetos e queixadas utilizando iniciadores de porco doméstico, confirmando os dados da literatura e fornecendo esultados inéditos a este respeito, bem como em relação à variabilidade genética encontrada nestes animais. Além disso, foram apresentadas proposições que visam a otimização da criação destes animais nos cativeiros.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectSuino selvagempt_BR
dc.subjectGenetica de populaçoespt_BR
dc.titleAvaliação da variabilidade genética em Tayassu Tacaju (cateto) e Tayassu Pecari (queixada) por meio da utilização de marcadores microssatélitespt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Arquivos deste item

Thumbnail

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples