Show simple item record

dc.contributor.authorBrandalize, Daniellept_BR
dc.contributor.otherIsrael, Vera Luciapt_BR
dc.contributor.otherRodacki, André Luiz Félix, 1965-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Educação Físicapt_BR
dc.date.accessioned2018-03-26T14:18:52Z
dc.date.available2018-03-26T14:18:52Z
dc.date.issued2010pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/24199
dc.descriptionOrientadora : Profa. Dra. Vera Lúcia Israelpt_BR
dc.descriptionCo-Orientador: Prof. Dr. André Luiz Félix Rodackipt_BR
dc.descriptionDissertaçao (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Biológicas, Programa de Pós-Graduaçao em Educaçao Física. Defesa: Curitiba, 29/03/2010pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 42-49pt_BR
dc.descriptionÁrea de concentraçao: Exercício e esportept_BR
dc.description.abstractResumo: O objetivo geral do presente estudo foi investigar os efeitos agudos e crônicos da exposição a desafios do equilíbrio e ao conflito sensorial, sobre sistema de controle postural. As informações sensoriais visual, vestibular e somatossensitivo usadas pelo sistema de controle postural para manter o equilíbrio do corpo dependem, em parte, das informações disponíveis no ambiente. Um conflito sensorial pode ocorrer em situações nas quais há incongruência das informações provenientes desses três sistemas. Participaram deste estudo 15 pescadores do gênero masculino, que formaram o grupo exposto (GE) e 21 indivíduos do gênero masculino, não pescadores formaram o grupo não exposto (GNE) ao conflito sensorial. O conflito sensorial ao qual o GE foi exposto foi entre os sistemas visual e vestibular que ocorre em alto mar, durante a pesca. O equilíbrio foi avaliado na postura ereta e quieta, com os pés juntos em 6 diferentes condições experimentais que envolveram permanecer sobre: uma superfície de apoio firme com olhos abertos (C1), olhos fechados (C2) e com informação visual imprecisa (C3) e sobre uma superfície de apoio instável (espuma) com olhos abertos (C4), olhos fechados (C5) e com informação visual imprecisa (C6). Cada condição teve duração de 40 segundos. Os primeiros 10 segundos foram incluídos que os indivíduos se familiarizassem com as demandas da tarefa, enquanto que os 30 segundos finais foram usados para coleta dos dados. Um intervalo de 30 segundos foi dado entre um teste e outro. As variáveis estabilométricas envolveram amplitude de deslocamento do centro de pressão (CP) nas direções ânteroposterior (AP) e médio-lateral (ML), velocidade média total, trajetória total e área de deslocamento do CP, determinadas utilizando-se uma plataforma de forças. O GE realizou duas avaliações do equilíbrio, pré e pós- exposição, enquanto que o GNE realizou apenas uma avaliação, visto que esse grupo não foi exposto o conflito. Os resultados um aumento da amplitude de deslocamento AP após a exposição ao conflito sensorial, nas condições em que a superfície de apoio estava instável e a informação visual foi mantida normal e imprecisa. Para as demais variáveis não houve diferença entre o pré e pós-exposição. Comparado com o GNE, o GNE apresentou maiores amplitudes de oscilação na maioria das condições experimentais. A influência dos sistemas sensoriais para a manutenção do equilíbrio não mudou após a exposição ao conflito sensorial do GE. No entanto, os grupos apresentaram diferença na preferência pelas informações de um determinado sistema sensorial. Os resultados deste estudo indicam que a exposição crônica ao conflito sensorial parece ter acarretado em uma habituação a esse conflito, nos participantes deste estudo, fazendo com que eles utilizem a informação dos diferentes sistemas sensoriais da mesma forma antes e após a exposição aguda ao mesmo conflito sensorial. No entanto, especula-se que essa habituação, por sua vez, pode ter feito com que os indivíduos expostos cronicamente ao conflito sensorial adotassem estratégias motoras diferentes das utilizadas por indivíduos não expostos para a manutenção do equilíbrio e que os indivíduos expostos cronicamente a um conflito entre os sistemas visual e vestibular confiam mais na informação somatossensitiva do que indivíduos não expostos.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The aim of this study was to evaluate the acute and chronic effects of exposure to balance perturbation and to sensory conflict in to postural control. The sensory inputs from visual, vestibular e omatossensory used by postural control system to maintain balance depends, in part, of the sensory inputs available on the environment. A sensory conflict occurs when the information from this three systems are incongruent. Participated of the study 15 fisherman who formed the exposed group (GE) and 21 mans who forms the non-exposed group (GNE) to the sensory conflict. Balance were evaluated in the stand posture, with narrow stance in six different experimental conditions that involved standing: on a firm surface with eyes open (C1), eyes closed (C2) and with a dome (C3) and on an instable surface with eyes open (C4), eyes closed (C5) and with a dome (C6). Each condition was performed during 40 seconds. The first 10 seconds we include to allow subjects to familiarize with teste demands, while the final 30 seconds we used to collect data. An interval of 30 seconds were given between conditions. Stabilometric data involved determining anteroposterior (AP) and medio-lateral (ML) sway, sway velocity of center of press (CoP), total sway and sway area determinated using a force platform. The GE performance two tests of balance, pre and post exposure, however GNE performed stabilometric teste once because this group was not exposed to the sensory conflict. The results showed that the antero-posterior was greatter after exposure to sensory conflict, in the conditions that the supporte surface was instable and the visual inputs were normal and naccurate. The others variables did not present difference between pre and post conflict exposure. The GE showed larger sway than GNE for the majority of the variables evalueted. The influence of sensory systems to balance maintanace did not change after exposure to sensory conflict for GE. Although, there was a preference for inputs of determinated sensory system between groups. The results of this study, indicated that the chronic exposure to the sensory conflict, resulted in a habituantion for this conflict GE, who used the inputs of different sensory systems the same way before and after acute exposure to the ensory conflict. Nevertheless, this habituation was speculate to make that the cronically exposure to the sensory conflict subjects adopted differents motor strategys from the subjects who were not exposed, to maintain balance and that the subjects cronically exposure to a conflict between visual and vestibular systems reliance more in the somatossensory inputs than subjects who were not exposed.pt_BR
dc.format.extent64f. : il.[algumas color.], grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectPostura humanapt_BR
dc.subjectEquilibrio (Fisiologia)pt_BR
dc.subjectPescadorespt_BR
dc.subjectEducação físicapt_BR
dc.titleAnálise dos efeitos da exposição ao conflito sensorial sobre o sistema de controle postural de pescadorespt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record