Show simple item record

dc.contributor.authorStrogenski, Paulo Juarez Ruedapt_BR
dc.contributor.otherBorges Neto, José, 1951-pt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.date.accessioned2019-11-04T14:47:26Z
dc.date.available2019-11-04T14:47:26Z
dc.date.issued2009pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/1884/24001
dc.descriptionOrientador.: Prof. Dr. José Borges Netopt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Letras. Defesa: Curitiba, 26/03/2009pt_BR
dc.descriptionBibliografia: fls. 159-162pt_BR
dc.description.abstractResumo: A relação dos seres humanos com o mundo que os rodeia é mediada pelos nossos sentidos e pelo nosso cérebro. As sinapses mentais são responsáveis por um infindável número de processamentos necessários para a nossa sobrevivência e para a compreensão da vida, do mundo e das relações sociais. Uma das questões de maior interesse nas pesquisas linguísticas atuais é como a linguagem funciona enquanto módulo especializado do cérebro. Desde a antiguidade clássica, a metáfora sempre despertou interesse em diversas áreas pela sua capacidade de transmitir significados de maneira competente sem utilizar linguagem literal. Nas últimas décadas, além das possibilidades poéticas e retóricas, a metáfora passou a interessar psicólogos e linguistas pela sua característica de propiciar meios de apreensão da realidade. Este trabalho procura estudar a relação entre a metáfora e a cognição, o que exige uma discussão sobre o papel da linguagem como uma interface entre o mundo e a mente. São estudadas as posições de alguns filósofos e estudiosos que se preocuparam com a linguagem, o que é necessário para a definição de como a metáfora trabalha, já que diferentes definições da linguagem produzem novos entendimentos sobre o que é a metáfora. Em especial, é vista a posição cognitivista de George Lakoff e Mark Johnson que inauguraram a chamada Linguística Cognitiva e que propuseram a existência de metáforas conceituais sobre as quais o sistema cognitivo humano se organiza. Além da teoria de Lakoff e Johnson, é apresentada a teoria dos espaços mentais, de Gilles Fauconnier e também o seu trabalho com Mark Turner, que representa um avanço para a Linguística Cognitiva e para o tratamento da metáfora. Encerrando o trabalho, há uma discussão sobre o papel da metáfora enquanto estratégia comunicativa.pt_BR
dc.description.abstractAbstract: The relations among human beings with the world that surrounds us is mediated by our senses and by our brain. Mental synapses are responsible for a great number of processes necessary for our survival and to comprehend life, the world and social relations. Currently, one of the biggest interest in linguistics research is how language works as a specialized module of the brain. Since the classical antiquity, metaphors have always raised interest in various fields of study for their ability to transmit meaning competently without using literal language. During the last decades, besides the poetic and rhetoric possibilities, metaphors have raised the interest of psychologists and linguists for their ability to offer means to the apprehension of reality. This piece of research aims at studying the relations between metaphors and cognition which demands a whole discussion about the role of language as an interface between the world and mind. Some philosophical positions are studied as well as some investigations which are directed to language and which are necessary for the definition of how metaphors work once that different definitions of language produce new understandings about what a metaphor is. A cognitivist view by George Lakoff and Mark Johnson is specially addressed. They began the so called Cognitive Linguistics and proposed the existence of conceptual metaphors from which the human cognitive system is organized. In addition to Lakoff and Johnson’s theory we also presented the theory of mental spaces by Gilles Fauconnier and also from a study by Mark Turner who represents a progress in Cognitive Linguistics and for the study of metaphors. To sum up this piece of work, there is a discussion about the role of metaphors as a communicative strategy.pt_BR
dc.format.extent163f. : il., grafs., tabs.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.relationDisponível em formato digitalpt_BR
dc.subjectTeses - Letras - Letraspt_BR
dc.subjectMetaforapt_BR
dc.subjectCogniçãopt_BR
dc.subjectSemanticapt_BR
dc.subjectLetraspt_BR
dc.titleUm estudo sobre metáfora e cogniçãopt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record