Show simple item record

dc.contributor.advisorMoscardi, Flaviopt_BR
dc.contributor.authorAlexandre, Talita Morettopt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Biológicas. Programa de Pós-Graduaçao em Ciencias Biológicas (Entomologia)pt_BR
dc.date.accessioned2010-05-26T19:17:40Z
dc.date.available2010-05-26T19:17:40Z
dc.date.issued2010-05-26T19:17:40Z
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/23528
dc.description.abstractResumo: Com o objetivo verificar o potencial do nucleopoliedrovirus de P. includens (PsinNPV) em campo e laboratório, bem como o desenvolvimento de táticas de controle que sejam compatíveis com o programa de controle biológico de Anticarsia gemmatalis (Hübner); Foram realizados diferentes experimentos, incluindo a determinação da influência de práticas de controle de pragas sobre a população de Pseudoplusia includens e seus inimigos naturais, avaliação de alguns parâmetros de virulência do vírus em laboratório, determinação do potencial do vírus e alguns inseticidas em campo, avaliação da virulência de algumas proteínas Cry de Bacillus thuringiensis (Berliner), e a comparação de isolados do PsinNPV em relação aos aspectos morfológicos, moleculares e atividade biológica. Através dos experimentos utilizando diferentes táticas de manejo da soja, em Londrina, PR: i) Produtor, ii) MIP e iii) Controle Biológico, verificou-se que o tratamento do Produtor nas três safras avaliadas apresentou maior número de P. includens e em algumas safras o número de inimigos naturais foi menor para esse tratamento. A concentração letal média (CL50) do PsinNPV para lagartas de 2º e 3º instar foram, respectivamente, 3770, 4234 CPI/ml. O tempo letal médio (TL50) para lagartas de 2º instares foi menor que para de 3º instar, com uma diferença de aproximadamente dois dias. Os resultados da CL50 em casa de vegetação foram semelhantes aos obtidos em laboratório. Resultados de campo com o PsinNPV e inseticidas químicos, de um modo geral, não apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos ou então tiveram baixa a média eficiência, rincipalmente ao longo das datas de amostragem após aplicação dos produtos. As proteínas de B. thuringiensis testadas, com exceção da Cry 2A, foram tóxicas a P. includens. Em relação à morfologia dos aculovírus de diferentes localidades, verificou-se pela microscopia eletrônica de transmissão (MET) dos corpos de oclusão (OBs) do PsinNPV a presença de até 21 vírions que exibem nitidamente a presença de um único nucleocapsídeo. Com relação à CL50 e o TL50 dos sete isolados avaliados, observou-se que os isolados IA (da Guatemala), IE (de Iguaraçu, PR, Brasil, safra 2006/07) e IF (de Dourados-MS, Brasil) foram os mais virulentos, ou seja, com a menor CL50 contra P. includens em relação aos demais isolados testados. Os isolados IA, IE, e IF apresentaram o menor TL50 (variando entre 9,18 e 9,50 dias) para matar o inseto hospedeiro, em comparação com os outros isolados (variando entre 10,13 e 13,39 dias).pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectPragas agricolas - Controle biologicopt_BR
dc.subjectLepidopteropt_BR
dc.subjectSojapt_BR
dc.titleEstratégias para o manejo integrado da Pseudoplusia includens (Walker) (Lepidoptera: Noctuidae, Plusiinae) em sojapt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record