Show simple item record

dc.contributor.advisorMilano, Miguel Serediukpt_BR
dc.contributor.authorHauff, Shirley Noelypt_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.date.accessioned2013-06-03T17:42:07Z
dc.date.available2013-06-03T17:42:07Z
dc.date.issued2013-06-03
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/2222
dc.description.abstractA finalidade deste trabalho foi a de analisar as ações de extensão desenvolvidas em comunidades rurais existentes dentro e no entorno de seis unidades de conservação da categoria parque ou manejadas como tal, situadas em quatro dos sete biomas brasileiros: a Reserva Natural Salto Morato (PR) e o Parque Estadual da Ilha do Cardoso (SP), na Floresta Atlântica; o Parque Nacional do Jaú (AM), na Floresta Amazônica; o Parque Nacional da Serra da Capivara (PI), na Caatinga; e os parques nacionais Grande Sertão Veredas (MG) e Chapada dos Veadeiros (GO), no bioma Cerrado. Foram reunidas informações bibliográficas e junto às administrações de cada unidade para descrever as características naturais locais, o histórico da ocupação regional, o histórico da criação e implementação de cada unidade, bem como dados sobre o desenvolvimento de programas ou ações de extensão. Em campo, aplicou-se questionário a moradores das unidades e seu entorno e aos funcionários das mesmas para identificar as principais formas de ocupação da terra e usos dos recursos naturais e opiniões sobre as ações das unidades nas atividades produtivas dos moradores e vice-versa, como também opiniões sobre as relações entre as administrações e as comunidades, além das necessidades de melhorias nestas. Os resultados foram analisados para cada unidade, de forma global e comparadas as situações entre cada unidade. Verificouse que a queda das atividades produtivas mais importantes de cada região estudada ocorreu antes da criação das unidades e somente as atividades baseadas na exploração de recursos naturais, como o comércio de palmito e peles, sofreram maior impacto com a existência da unidade, mas cujas restrições são relativas à legislação vigente em todo território nacional. Atualmente, a grande maioria das atividades dos moradores é de pequena escala e baseia-se no extrativismo e em práticas agropecuárias pouco desenvolvidas ou inadequadas ao meio local. Devido a esta precária situação, as unidades são pressionadas a desenvolver ações que melhorem as condições sócio-econômicas locais. A implementação das unidades vem, direta e indiretamente, abrindo novas oportunidades de trabalho e renda em locais que enfrentam a falta de alternativas econômicas, infra-estrutura e serviços sociais básicos. Contudo, as que oferecem alternativas fora das funções de manejo da unidade enfrentam dificuldades de mercado e aquelas que oferecem melhorias sociais apresentam problemas de continuidade. Em alguns casos, a aplicação de ações de extensão reduziu a intensidade de atividades que exercem maior pressão sobre os recursos naturaispt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectReservas florestais - Brasilpt_BR
dc.subjectServiço de extensao florestal - Brasilpt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.subjectReserva Natural Salto Morato (PR)pt_BR
dc.subjectParque Estadual da Ilha do Cardoso (SP)pt_BR
dc.subjectParque Nacional do Jaú (Brasil)pt_BR
dc.subjectParque Nacional da Serra da Capivara (PI)pt_BR
dc.subjectParque Nacional Grande Sertao Veredas (MG)pt_BR
dc.subjectParque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO)pt_BR
dc.titleRelaçoes entre comunidades rurais locais e administraçoes de parques no Brasilpt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record