Show simple item record

dc.contributor.advisorSilva, Dimas Agostinho dapt_BR
dc.contributor.authorBronoski, Marilenept_BR
dc.contributor.otherUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciencias Agrárias. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia Florestalpt_BR
dc.contributor.otherRochadelli, Robertopt_BR
dc.date.accessioned2013-05-17T18:02:56Z
dc.date.available2013-05-17T18:02:56Z
dc.date.issued2013-05-17
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/1884/14430
dc.description.abstractO compensado, classificado como um produto de madeira sólida tem uma participação importante no contexto econômico e social do país, em que pesem as dificuldades atualmente encontradas: escassez e incerteza no abastecimento de sua principal matéria prima e queda acentuada do dólar em relação ao real, além de entrada de novos players no mercado internacional. Em função disto, maiores informações sobre o setor passam a ter uma importância vital, especialmente em relação aos seus custos. Este trabalho levantou e analisou os custos logísticos no setor referente ao suprimento de sua principal matéria prima – a madeira. O espaço amostral foi a Região Metropolitana de Curitiba, maior pólo madeireiro do Estado e onde se situam 30% de suas indústrias de compensados. Em entrevista às empresas tendo como roteiro um questionário estruturado, obteve-se 55% de retorno das fábricas em operação. Concluiu-se que estes custos são elevados, puxados pela variável frete que representa, em média, 14% do faturamento e 78% dos custos logísticos deste item, ocasionado, em grande parte, pela alta dependência de madeira tropical proveniente das regiões norte e centro-oeste. O custo de capital referente ao estoque médio representa 7% dos custos logísticos totais, com um giro médio de 0,35 vezes ao mês e uma cobertura dos estoques de, aproximadamente, três meses. As empresas com maior agregação de maior valor a seus produtos são mais eficientes na relação custos logísticos e faturamento, comparativamente com empresas que produzem apenas o painel compensado, com um índice de 0,12 e 0,22, respectivamente. Na média, as empresas já praticam as compras em lotes econômicos. O Paraná é o maior Estado fornecedor de madeira, seguido pelos Estados de Mato Grosso e Rondônia. O pinus é a madeira mais utilizada na confecção do compensado, com 26% do total, entre as trinta e quatro identificadas; as madeiras tropicais utilizadas somam, aproximadamente, 64% do total consumido. Substituição gradual das espécies tropicais pelas plantadas com mudança ou não da matriz produtiva e utilização do modal ferroviário para as longas distâncias destinando o rodoviário nas pontas, são algumas sugestões para diminuição dos custos de transporte. Aliado a isto, sugere-se, também, o desenvolvimento de parcerias com os fornecedores com o objetivo de diminuir os custos logísticos adequando, o quanto possível o volume de estoque e a demanda. Do ponto de vista mercadológico, maior agregação de valor aos produtos, um sistemático acompanhamento das tendências e maiores trocas de experiências entre os empresários do setor também são sugeridaspt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.subjectCompensados de madeira - Industria - Curitiba, Regiao Metropolitana de (PR)pt_BR
dc.subjectLogísticapt_BR
dc.subjectLogistica empresarialpt_BR
dc.subjectEstoquespt_BR
dc.subjectTesespt_BR
dc.titleAnálise da eficiencia logística na gestão de suprimentos da indústria de compensados na regiao de Curitibapt_BR
dc.typeTesept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record